CONTATO

E-MAIL PARA CONTATO:
oucaapalavradosenhor@oucaapalavradosenhor.com

sábado, 31 de março de 2012

Judas 9 - A disputa entre o arcanjo Miguel e o diabo não é baseada em uma história apócrifa?

Problema: Judas registra um episódio no qual o arcanjo Miguel e o diabo tem uma disputa a respeito do corpo de Moisés, dizendo: "Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a repeito do corpo de Moisés, não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele; pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda!" (v.9). Este episódio não é encontrado no Antigo Testamento e acontece de ser encontrado num livro apócrifo (duvidoso) intitulado A ascensão de Moisés.



Solução: Somente porque o episódio não é encontrado em nenhuma passagem das Escrituras, não significa que o evento não tenha ocorrido. A Bíblia com frequência cita verdades de livros que não são inspirados, mas que contem, mesmo assim, afirmações verdadeiras. Um autor bíblico não se limita a citar apenas as Escrituras. Toda verdade é uma verdade de Deus, onde quer que seja ela encontrada.


Fonte: Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia

sexta-feira, 30 de março de 2012

Regis Danese dá seu testemunho no TV Xuxa Especial de Páscoa


O cantor Regis Danese foi um dos convidados pela apresentadora Xuxa para participar do programa “TV Xuxa Especial de Páscoa”, que vai ao ar no sábado dia 7 de abril, às 15h na TV Globo.

Durante a gravação, que aconteceu no dia 14 deste mês, Regis Danese lançou o seu novo CD ‘Tudo Novo’ pela MK Music e cantou a música de trabalho “Tu podes”. Regis não perdeu a oportunidade de ministrar sobre o que Deus tem feito em sua vida e em sua família, principalmente através da Brendinha, sua filha. “A cura é com o tempo. Mas o milagre é agora. Eu vivo o milagre de Deus. É o que eu canto”, declarou o cantor emocionando a todos e levando a apresentadora às lágrimas.

No encerramento, Xuxa pediu para Regis cantar a sua música mais famosa, “Faz um milagre em mim”, que ela declarou ser uma das canções mais bonitas que já ouviu e uma das suas preferidas. Chamados por Xuxa, todos os convidados (os padres Marcelo Rossi, Fábio de Melo e a cantora Damares) se juntaram a Regis. A plateia, com adultos e muitas crianças, formou um grande coral e a emoção foi visível.

Após a gravação, Regis mostrou para Xuxa o vídeo que Brendinha gravou para a apresentadora. “Quando eu ficar boa quero conhecer a Xuxa”, foi um dos recados da pequena. A apresentadora ficou muito impressionada com o testemunho do cantor.

Nos bastidores, Regis presenteou os padres Fábio de Melo e Marcelo Rossi e toda produção com se novo CD.

Fonte: Portal Fiel

A Finalidade da Cruz

Antigo batistério no deserto do Neguev 
"Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim..." 
(Gl 2.19b-20).

A ilusão do "símbolo" do cristianismo

Os elementos anticristãos do mundo secular dariam tudo para conseguir eliminar manifestações públicas da cruz. Ainda assim, ela é vista no topo das torres de dezenas de milhares de igrejas, nas procissões, sendo freqüentemente feita de ouro e até ornada com pedras preciosas. A cruz, entretanto, é exibida mais como uma peça de bijuteria ao redor do pescoço ou pendurada numa orelha do que qualquer outra coisa. É preciso perguntarmos através de que tipo estranho de alquimia a rude cruz, manchada do sangue de Cristo, sobre a qual Ele sofreu e morreu pelos nossos pecados se tornou tão limpa, tão glamourizada.

Não importa como ela for exibida, seja até mesmo como joalheria ou como pichação, a cruz é universalmente reconhecida como símbolo do cristianismo – e é aí que reside o grave problema. A própria cruz, em lugar do que nela aconteceu há 'dois anos atrás', se tornou o centro da atenção, resultando em vários erros graves. O próprio formato, embora concebido por pagãos cruéis para punir criminosos, tem se tornado sacro e misteriosamente imbuído de propriedades mágicas, alimentando a ilusão de que a própria exibição da cruz, de alguma forma, garante proteção divina. Milhões, por superstição, levam uma cruz pendurada ao pescoço ou a tem em suas casas, ou fazem "o sinal da cruz" para repelir o mal e afugentar demônios. Os demônios temem a Cristo, não uma cruz; e qualquer um que não foi crucificado juntamente com Ele, exibe a cruz em vão.

A "palavra da cruz": poder de Deus

Paulo afirmou que a "palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus" (1 Co 1.18). Assim sendo, o poder da cruz não reside na sua exibição, mas sim na sua pregação; e essa mensagem nada tem a ver com o formato peculiar da cruz, e sim com a morte de Cristo sobre ela, como declara o evangelho. O evangelho é "o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê" (Rm 1.16), e não para aqueles que usam ou exibem, ou até fazem o sinal da cruz.

O que é esse evangelho que salva? Paulo afirma explicitamente: "venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei... por ele também sois salvos... que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (1 Co 15.1-4).Para muitos, choca o fato do evangelho não incluir a menção de uma cruz. Por quê? Porque a cruz não era essencial à nossa salvação. Cristo tinha que ser crucificado para cumprir a profecia relacionada à forma de morte do Messias (Sl 22), não porque a cruz em si tinha alguma ligação com nossa redenção. O imprescindível era o derramamento do sangue de Cristo em Sua morte como prenunciado nos sacrifícios do Antigo Testamento, pois "sem derramamento de sangue não há remissão" (Hb 9.22); "é o sangue que fará expiação em virtude da vida" (Lv 17.11).

Não dizemos isso para afirmar que a cruz em si é insignificante. O fato de Cristo ter sido pregado numa cruz revela a horripilante intensidade da maldade inata ao coração de cada ser humano. Ser pregado despido numa cruz e ser exibido publicamente, morrer lentamente entre zombarias e escárnios, era a morte mais torturantemente dolorosa e humilhante que poderia ser imaginada. E foi exatamente isso que o insignificante ser humano fez ao seu Criador! Nós precisamos cair com o rosto em terra, tomados de horror, em profundo arrependimento, dominados pela vergonha, pois não foram somente a turba sedenta de sangue e os soldados zombeteiros que O pregaram à cruz, mas sim nossos pecados!

A cruz revela a malignidade do homem e o amor de Deus

Assim sendo, a cruz revela, pela eternidade adentro, a terrível verdade de que, abaixo da bonita fachada de cultura e educação, o coração humano é "enganoso... mais do que todas as cousas, e desesperadamente corrupto" (Jr 17.9), capaz de executar o mal muito além de nossa compreensão, até mesmo contra o Deus que o criou e amou, e que pacientemente o supre. Será que alguém duvida da corrupção, da maldade de seu próprio coração? Que tal pessoa olhe para a cruz e recue dando uma reviravolta, a partir de seu ser mais interior! Não é à toa que o humanista orgulhoso odeia a cruz!

Ao mesmo tempo que a cruz revela a malignidade do coração humano, entretanto, ela revela a bondade, a misericórdia e o amor de Deus de uma maneira que nenhuma outra coisa seria capaz. Em contraste com esse mal indescritível, com esse ódio diabólico a Ele dirigido, o Senhor da glória, que poderia destruir a terra e tudo o que nela há com uma simples palavra, permitiu-se ser zombado, injuriado, açoitado e pregado àquela cruz! Cristo "a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz" (Fp 2.8). Enquanto o homem fazia o pior, Deus respondia com amor, não apenas Se entregando a Seus carrascos, mas carregando nossos pecados e recebendo o castigo que nós justamente merecíamos.

A cruz prova que existe perdão para o pior dos pecados

Existe, ainda, um outro sério problema com o símbolo, e especialmente o crucifixo católico que exibe um Cristo perpetuamente pendurado na cruz, assim como o faz a missa. A ênfase está sobre o sofrimento físico de Cristo como se isso tivesse pago os nossos pecados. Pelo contrário, isso foi o que o homem fez a Ele e só podia nos condenar a todos. Nossa redenção aconteceu através do fato de que Ele foi ferido por Jeová e "sua alma [foi dada] como oferta pelo pecado" (Is 53.10); Deus fez"cair sobre ele a iniqüidade de nós todos" (Is 53.6); e "carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados" (I Pe 2.24).

A morte de Cristo é uma evidência irrefutável de que Deus precisa, em Sua justiça, punir o pecado, que a penalidade precisa ser paga, caso contrário não pode haver perdão. O fato de que o Filho de Deus teve que suportar a cruz, mesmo depois de ter clamado a Seu Pai ao contemplar em agonia o carregar de nossos pecados ["Se possível, passe de mim este cálice!" (Mt 26.39)], é prova de que não havia outra forma de o ser humano ser redimido. Quando Cristo, o perfeito homem, sem pecado e amado de Seu Pai, tomou nosso lugar, o juízo de Deus caiu sobre Ele em toda sua fúria. Qual deve ser, então, o juízo sobre os que rejeitam a Cristo e se recusam a receber o perdão oferecido por Ele! Precisamos preveni-los!

Ao mesmo tempo e no mesmo fôlego que fazemos soar o alarme quanto ao julgamento que está por vir, precisamos também proclamar as boas notícias de que a redenção já foi providenciada e que o perdão de Deus é oferecido ao mais vil dos pecadores. Nada mais perverso poderia ser concebido do que crucificar o próprio Deus! E ainda assim, foi estando na cruz que Cristo, em seu infinito amor e misericórdia, orou: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lc 23.34). Assim sendo, a cruz também prova que existe perdão para o pior dos pecados, e para o pior dos pecadores.

Cuidado: não anule a cruz de Cristo!

A grande maioria da humanidade, entretanto, tragicamente rejeita a Cristo. E é aqui que enfrentamos outro perigo: é que em nosso sincero desejo de vermos almas salvas, acabamos adaptando a mensagem da cruz para evitar ofender o mundo. Paulo nos alertou para tomarmos cuidado no sentido de não pregar a cruz "com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo" (1 Co 1.17).Muitos pensam: "É claro que o evangelho pode ser apresentado de uma forma nova, mais atraente do que o fizeram os pregadores de antigamente. Quem sabe, as técnicas modernas de embalagem e vendas poderiam ser usadas para vestir a cruz numa música ou num ritmo, ou numa apresentação atraente assim como o mundo comumente faz, de forma a dar ao evangelho uma nova relevância ou, pelo menos, um sentido de familiaridade. Quem sabe poder-se-ia lançar mão da psicologia, também, para que a abordagem fosse mais positiva. Não confrontemos pecadores com seu pecado e com o lado sombrio da condenação do juízo vindouro, mas expliquemos a eles que o comportamento deles não é, na verdade, culpa deles tanto quanto é resultante dos abusos dos quais eles têm sido vitimados. Não somos todos nós vítimas? E Cristo não teria vindo para nos resgatar desse ato de sermos vitimados e de nossa baixa perspectiva de nós mesmos e para restaurar nossa auto-estima e auto-confiança? Mescle a cruz com psicologia e o mundo abrirá um caminho para nossas igrejas, enchendo-as de membros!" Assim é o neo-evangelicalismo de nossos dias.

Ao confrontar tal perversão, A. W. Tozer escreveu: "Se enxergo corretamente, a cruz do evangelicalismo popular não é a mesma cruz que a do Novo Testamento. É, sim, um ornamento novo e chamativo a ser pendurado no colo de um cristianismo seguro de si e carnal... a velha cruz matou todos os homens; a nova cruz os entretêm. A velha cruz condenou; a nova cruz diverte. A velha cruz destruiu a confiança na carne; a nova cruz promove a confiança na carne... A carne, sorridente e confiante, prega e canta a respeito da cruz; perante a cruz ela se curva e para a cruz ela aponta através de um melodrama cuidadosamente encenado – mas sobre a cruz ela não haverá de morrer, e teimosamente se recusa a carregar a reprovação da cruz."

A cruz é o lugar onde nós morremos em Cristo

Eis o "x" da questão. O evangelho foi concebido para fazer com o "eu" aquilo que a cruz fazia com aqueles que nela eram postos: matar completamente. Essa é a boa notícia na qual Paulo exultava:"Estou crucificado com Cristo". A cruz não é uma saída de incêndio pela qual escapamos do inferno para o céu, mas é um lugar onde nós morremos em Cristo. É só então que podemos experimentar "o poder da sua ressurreição" (Fp 3.10), pois apenas mortos podem ser ressuscitados. Que alegria isso traz para aqueles que há tempo anelam escapar do mal de seus próprios corações e vidas; e que fanatismo isso aparenta ser para aqueles que desejam se apegar ao "eu" e que, portanto, pregam o evangelho que Tozer chamou de "nova cruz".

Paulo declarou que, em Cristo, o crente está crucificado para o mundo e o mundo para ele (Gl 6.14). É linguagem bem forte! Este mundo odiou e crucificou o Senhor a quem nós amamos – e, através desse ato, crucificou a nós também. Nós assumimos uma posição com Cristo. Que o mundo faça conosco o que fez com Ele, se assim quiser, mas fato é que jamais nos associaremos ao mundo em suas concupiscências e ambições egoístas, em seus padrões perversos, em sua determinação orgulhosa de construir uma utopia sem Deus e em seu desprezo pela eternidade.

Crer em Cristo pressupõe admitir que a morte que Ele suportou em nosso lugar era exatamente o que merecíamos. Quando Cristo morreu, portanto, nós morremos n'Ele: "...julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou" (2 Co 5.14-15).

"Mas eu não estou morto", é a reação veemente. "O 'eu' ainda está bem vivo." Paulo também reconheceu isso: "...não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço" (Rm 7.19).Então, o que é que "estou crucificado com Cristo" realmente significa na vida diária? Não significa que estamos automaticamente "mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus" (Rm 6.11). Ainda possuímos uma vontade e ainda temos escolhas a fazer.

O poder sobre o pecado

Então, qual é o poder que o cristão tem sobre o pecado que o budista ou o bom moralista não possui? Primeiramente, temos paz com Deus "pelo sangue da sua cruz" (Cl 1.20). A penalidade foi paga por completo; assim sendo, nós não tentamos mais viver uma vida reta por causa do medo de, de outra sorte, sermos condenados, mas sim por amor Àquele que nos salvou. "Nós amamos porque ele nos amou primeiro" (1 Jo 4.19); e o amor leva quem ama a agradar o Amado, não importa o preço."Se alguém me ama, guardará a minha palavra" (Jo 14.23), disse o nosso Senhor. Quanto mais contemplamos a cruz e meditamos acerca do preço que nosso Senhor pagou por nossa redenção, mais haveremos de amá-lO; e quanto mais O amarmos, mais desejaremos agradá-lO.

Em segundo lugar, ao invés de "dar duro" para vencer o pecado, aceitamos pela fé que morremos em Cristo. Homens mortos não podem ser tentados. Nossa fé não está colocada em nossa capacidade de agirmos como pessoas crucificadas mas sim no fato de que Cristo foi crucificado de uma vez por todas, em pagamento completo por nossos pecados.

Em terceiro lugar, depois de declarar que estava "crucificado com Cristo", Paulo acrescentou: "logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim" (Gl 2.20). O justo "viverá por fé" (Rm 1.17; Gl 3.11; Hb 10.38) em Cristo; mas o não-crente só pode colocar sua fé em si mesmo ou em algum programa de auto-ajuda, ou ainda num guru desses bem esquisitos.

A missa: negação da suficiência da obra de Cristo na cruz

Tristemente, a fé católica não está posta na redenção realizada por Cristo de uma vez para sempre na cruz, mas na missa, que, alegadamente, é o mesmo sacrifício como o que foi feito na cruz, e confere perdão e nova vida cada vez que é repetida. Reivindica-se que o sacerdote transforma a hóstia e o vinho no corpo literal e no sangue literal de Cristo, fazendo com que o sacrifício de Cristo esteja perpetuamente presente. Mas não há como trazer um evento passado ao presente. Além do mais, se o evento passado cumpriu seu propósito, não há motivo para querer perpetuá-lo no presente, mesmo que pudesse ser feito. Se um benfeitor, por exemplo, paga ao credor uma dívida que alguém tem, a dívida sumiu para sempre. Seria sem sentido falar-se em reapresentá-la ou reordená-la ou perpetuar seu pagamento no presente. Poder-se-ia lembrar com gratidão que o pagamento já foi feito, mas a reapresentação da dívida não teria valor ou sentido uma vez que já não existe dívida a ser paga.

Quando Cristo morreu, Ele exclamou em triunfo: "Está consumado" (Jo 19.30), usando uma expressão que, no grego, significa que a dívida havia sido quitada totalmente. Entretanto, o novo Catecismo da Igreja Católica diz: "Como sacrifício, a Eucaristia é oferecida como reparação pelos pecados dos vivos e dos mortos, e para obter benefícios espirituais e temporais de Deus" (parágrafo 1414, p. 356). Isso equivale a continuar a pagar prestações de uma dívida que já foi plenamente quitada. A missa é uma negação da suficiência do pagamento que Cristo fez pelo pecado sobre a cruz! O católico vive na incerteza de quantas missas ainda serão necessárias para fazê-lo chegar ao céu.

Segurança para o presente e para toda a eternidade

Muitos protestantes vivem em incerteza semelhante, com medo de que tudo será perdido se eles falharem em viver uma vida suficientemente boa, ou se perderem sua fé, ou se voltarem as costas a Cristo. Existe uma finalidade abençoada da cruz que nos livra dessa insegurança. Cristo jamais precisará ser novamente crucificado; nem os que "foram crucificados com Cristo" ser "descrucificados" e aí "recrucificados"! Paulo declarou: "porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus" (Cl 3.3). Que segurança para o presente e para toda a eternidade!

(Dave Hunt – TBC 10/95 – traduzido por Eros Pasquini, Jr.)
Link para o original: A Finalidade da Cruz

quinta-feira, 29 de março de 2012

Por que nós cremos que somente a Bíblia tem autoridade e é inerrante?

Como já sabemos, a Bíblia afirma e assume sua inerrância em todo o seu conteúdo. Mas é importante reconhecer que a inerrância da Bíblia está inseparavelmente relacionada tanto com a doutrina da revelação, como à própria natureza de Deus. Por quê?

Em primeiro lugar, porque a revelação de Deus teve lugar mediante uma forma concreta, que se denomina "inspiração verbal, plenária". Isso quer dizer que a inspiração divina da Bíblia refere-se às suas próprias palavras (Mat. 4:4; Rom. 3:2) e se estende a cada parte das Escrituras. Por isso é que a Bíblia diz o seguinte: "Toda Escritura é inspirada por Deus..." (II Tim. 3:16).

Em segundo lugar, a Bíblia revela que a natureza de Deus é santa; portanto, Ele não pode mentir (Tito 1:2). Sendo q inspiração divina algo que se estende a cada palavra da Bíblia, a Bíblia em sua totalidade deve ser considerada livre de erros. Em outras palavras, se Deus é incapaz de inspirar o erro, tudo que é inspirado é inerrante.

Finalmente, a Bíblia também revela que Deus é Onipotente, Todo-Poderoso. Isto significa que Ele foi capaz de proteger de todo erro o processo de inspiração, apesar de que a revelação tenha sido dada através de homens falíveis. Sob a luz do que já foi dito, devemos concluir que qualquer coisa que Deus falar é inerrante; e pelo fato de que cada palavra da Bíblia é a palavra do próprio Deus. concluímos que ela não contém erros.

Assim, a fim de estabelecer apenas a Bíblia como a única fonte  de autoridade divina  é necessário provar que: (a) a Bíblia reivindica ser a inerrante Palavra de Deus; (b) essa reivindicação é justificada; e (c) qualquer coisa que contradiga o que a Bíblia ensina não pode ter, logicamente, autoridade divina.

A Bíblia reivindica ser a inerrante Palavra de Deus?


1. O Antigo Testamento


Ou o Antigo Testamento é a Palavra de Deus, ou se trata de uma fraude, pelo fato de que afirma repetidamente sua autoridade divina (por exemplo, Is. 40:8). A frase que diz: "Assim diz o Senhor", ou expressões similares são utilizadas cerca de 2.800 vezes (Jer. 1:2; Êxodo 34:27; Deut. 18:18; I Reis 22:14; Is. 8:19-20; Jer. 36:28; Amós 1). A inspiração (isto é, a inerrância) é explicitamente afirmada em quase 70% do Antigo Testamento, ou seja, em 26 dos 39 livros. É Deus nos dando a garantia da veracidade de sua Palavra para que não fiquemos confundidos.

Além disso, as afirmações do Novo Testamento no tocante à inspiração plenária e verbal do Antigo Testamento proporcionam provas adicionais. Vemos que o Novo Testamento "afirma a autoridade e/ou autenticidade de mais de 90% dos livros do Antigo Testamento". "Por exemplo, no livro de Hebreus a frase "Deus falou" ou frases equivalentes aparecem inúmeras vezes exatamente antes de citar livros específicos do Antigo Testamento, tais como os Salmos (Heb. 1:6-12; 4:7), Jeremias (8:8-12), Ageu (12:26), Deuteronômio (13:5) e outros. Particularmente relevantes são as Palavras pronunciadas por Cristo que, como Deus encarnado, fala de maneira infalível (Mat. 24:35; João 5:46; 7:16; 8:14-16; 12:48-50; 14:6; Filipenses 2:1-8; Tito 2:13; II Ped. 1:20-21; João 1:14). Em João 17:17 Jesus disse: "A tua Palavra é a Verdade"; e em Mateus 4:4 Ele afirma: "Não só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus". Em ambos os casos, Jesus só poderia estar se referindo às Escrituras dos judeus - nosso Antigo Testamento protestante (conforme Lucas 24:27). O próprio Jesus, portanto, afirmou que 100% do Antigo Testamento é inspirado e inerrante."

2. O Novo Testamento


O próprio Jesus indicou em mais de uma ocasião que  viria uma nova revelação de Deus. Por exemplo, Ele prometeu aos discípulos que o Espírito Santo lhes ensinaria todas as coisas e os lembraria de tudo o que Jesus havia ensinado (João 14:26), referindo-se aos Evangelhos (conforme Mat. 24:25). Ele também prometeu que o Espírito Santo os guiaria a toda verdade (João 16:12-15), referindo-se obviamente ao Novo Testamento. De modo que não é surpreendente que:

Todos os escritos Neotestamentários reivindicam que os seus escritos tem autoridade divina...O efeito cumulativo desse auto-testemunho constitui uma esmagadora confirmação de que os escritos Neotestamentários reivindicam a inspiração.

Realmente o fato de que os escritores Neotestamentários assumiram que seus escritos eram tão válidos como os do Antigo Testamento diz muito. Estes escritores eram judeus ortodoxos que criam que Palavra de Deus até aquele momento se limitava ao cânon do Antigo Testamento. Adicionar algo às Escrituras existentes era um terrível atrevimento, a não ser que a inspiração fosse inequívoca. Entretanto, o seu conhecimento da inspiração não é tão surpreendente. O próprio fato do advento do Messias profetizado desde a antiguidade e da Nova Aliança (como em Isaías, Jeremias, Ezequiel, etc.), junto com a encarnação e a propiciação feitas pelo próprio Deus (João 1:14; Filipenses 2:1-9), exigiam a existência de escritos divinos correspondentes para explicar e expor estes eventos, como ocorreu na atividade de Deus na aliança Antiga (por exemplo, Gálatas 3:8; comp. também João 16:12-15). Deus não tinha melhores candidatos para trazer essa revelação que os apóstolos de seu próprio Filho, ou aqueles a quem eles aprovaram para fazê-lo. E talvez para dar ainda mais credibilidade, o antigo cético e perseguidor da Igreja, o grande apóstolo Paulo, foi comissionado por Deus para escrever a substancial quarta parte de toda a nova revelação.

Poder-se-ia acreditar que Jesus cria que o Espírito Santo, o "Espírito da Verdade", que inspirou o Novo Testamento (João 16:13-15) haveria de deturpar Suas próprias Palavras ou inspirar algum erro? Pois certo que não.

Como o Deus encarnado poderia ensinar a infalibilidade do Antigo Testamento divinamente inspirado e não saber que a mesma condição deveria cumprir-se  no caso do Novo Testamento, também divinamente inspirado? Talvez um dos motivos por que Jesus nunca escreveu nada é porque sabia que não era necessário: o Espírito Santo haveria de inspirar a Palavra inerrante. De que outra forma Ele poderia ensinar (ou poderíamos razoavelmente crer) o seguinte: "Minhas palavras não passarão" (Mat. 24:35)?
Os céus e a terra passarão
Apesar disso, seria correto chamar escrituras errantes de "sagradas"? Como pode ser divina a inspiração que deixa margem para a verdade e o erro? Ela não seria simplesmente humana e, como qualquer outro livro, a Bíblia não deveria ser tratada como outro livro qualquer? Se respondermos que não, apelando para seu conteúdo teológico único, como podemos saber que esse conteúdo é verdadeiro?

Se a Palavra de Deus é eterna, como terá falhas? O que Deus quis dizer quando chamou a Sua Palavra de "santa" (Sal. 105:42), "perfeita" (Sal. 19:), "verdadeira" (Jo. 17:17), "reta" (Sal. 33:4), "boa (Prov. 4:2), "digna de toda confiança" (I Tim. 4:9) e "pura" (Prov. 30:5)?

Sobre esta questão da inerrância, o grande expositor Charles Spurgeon afirmou o seguinte: "Este é o livro que não está manchado por erro algum, mas que é genuinamente puro. Por quê? Porque Deus o escreveu. Ah! Acuse Deus de erro, por favor! Diga a Ele que o seu livro não é o que deve ser..."

A Bíblia está dividida em duas partes: o Antigo e o Novo Testamento.

O Antigo Testamento. É a primeira parte da Bíblia, que começa com Gênesis e termina com Malaquias e que trata da Antiga Aliança. A palavra "Testamento", quando é usada para indicar as duas divisões da Bíblia, quer dizer "aliança". O AT é a revelação de Deus para o povo de Israel, apontando para a vinda do Messias, que haveria de ocorrer na plenitude dos tempos (). O AT compõe-se de 39 livros, assim classificados: Pentateuco (cinco livros), livros históricos (doze livros), livros poéticos (cinco livros) e livros proféticos (dezessete livros).

O Novo Testamento. A segunda parte da Bíblia, que começa com o Evangelho de Mateus e termina com o Apocalipse. Trata da Nova Aliança. A palavra "Testamento", quando é usada para indicar as duas divisões da Bíblia, quer dizer "aliança". O NT é a revelação de Deus para o bem de todos os povos. Jesus Cristo, o Messias e Salvador, veio na plenitude dos tempos, e com Ele teve início a Igreja, fundada sobre o alicerce do Testemunho dos apóstolos. O NT compõe-se de 27 livros, assim classificados: livros históricos (cinco livros), epístolas de Paulo (treze livros), epístolas gerais (oito livros) e Apocalipse.


"Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas." (Apocalipse 2:7)


Fontes:
Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano - John Ankerberg e John Weldon
Dicionário da Bíblia de Almeida, 2ª ed.

quarta-feira, 28 de março de 2012

O Papa é infalível?

Foto Ilustrativa
A Igreja Católica afirma que quando um papa fala "ex cathedra" (isto é, "em sua cadeira" ou "com autoridade"²), ele é infalível nos assuntos de fé e moral.

Seria isso biblicamente respaldado, ou seria apenas argumentos sem fundamento bíblico? E quando isso surgiu?

A infalibilidade papal foi definida e promulgada oficialmente em 18 de julho de 1870, no Concílio Vaticano I.¹¹³ Isso significa que durante 1870 anos a Igreja Católica não havia ensinado oficialmente que que o papa era infalível. Até no próprio Concílio houve numerosos protestos e um grande número de católicos fiéis também o rejeitaram, passando a ser chamados de "Antigos Católicos".134

Admitimos que a maior parte das declarações papais não tem sido estritamente a definição ex cathedra de 1870. Mas a questão não é essa. A questão é que tais declarações sustentam a posição doutrinária do catolicismo.

Uma discussão profundo sobre o Concílio Vaticano I se encontra na obra How the Pope Became Infallible ( Como o Papa se Tornou Infalível), de Auguste Bernard Hasler. Ele serviu durante cinco anos no Secretariado do Vaticano para a Unidade Cristã, onde teve acesso aos arquivos do Vaticano. Lá ele descobriu documentos de crucial importância sobre assuntos relacionados com o Concílio, os quais jamais haviam sido estudados anteriormente. Como resultado de sua investigação, esse erudito católico concluiu:

'Cada vez se faz mais evidente, da fato, que o dogma da infalibilidade papal não tem nenhum fundamento, nem na Bíblia nem na história da Igreja durante o primeiro milênio. Se, porém, o Concílio do Vaticano I não foi livre, nem tampouco foi ecumênico. E nesse caso não se pode alegar validade para seus decretos. Desse modo, o caminho está livre para fazer uma revisão desse Concílio e, ao mesmo tempo, escapar de uma situação que tanto histórica como teologicamente se torna cada dia mais indefensável. Será isso pedir demasiado para a Igreja? Pode ela alguma vez admitir que um Concílio errou, que em 1870 o Vaticano I tomou a decisão equivocada?'35

A infalibilidade papal nunca foi uma doutrina verossímel. Como assinala Carson em seu estudo sobre o catolicismo contemporâneo, a doutrina de um papa e de uma igreja infalíveis, pressupõe, antes de tudo, que o guia infalível possa ser claramente reconhecido. Em segundo lugar, que esse guia atuará com suficiente prontidão para discernir a verdade do erro; e, em terceiro lugar, que esse guia jamais poderá ser responsável por conduzir a Igreja ao erro. 136 Mas nós sabemos que na história da igreja Católica não tem sido assim.

Notas: 
2 Conforme citado por Karl Keating, Catholicism and Fundamentalism: The Attack on "Romanism" by "Bible Christians" (San Francisco: Ignatius Press, 1988),150.
113 Keating, Catholicism and Fundamentalism, 134.
134 Ibid., 434.
35 Ibid., 7 - Sessão, Cânone 4,52.
136 Carson, Dawn or Twilight? 72.
Fonte de pesquisa:
Os Fatos Sobre o Catolicismo Romano-John Ankerberg e John Weldon

terça-feira, 27 de março de 2012

Os Fatos sobre os Anjos. II Parte

Como no estudo anterior, voltamos a apresentar mais "Fatos sobre os Anjos" extraídos do livro "Os Fatos Sobre os Anjos" de John Ankerberg e John Weldon, e nesta última parte, serão abordados temas como 'o poder dos anjos maus', 'o perigo do contato com tais seres', 'os enganos', 'o ocultismo por trás de algumas práticas, entre outros'. Esperamos que tudo isso possa esclarecer ainda mais os fatos acerca desses seres que, apesar de fazer parte da existência da igreja de Cristo, tem sido mal interpretados e elevados a posições extra-bíblicas que contrariam em muito os escritos bíblicos. Todos os textos foram retirados do livro já citado, para ler todo o conteúdo do livro sugerimos que você adquira através do endereço www.chamada.com.br.

SEGUNDA PARTE
Encontros Contemporâneos com 
Anjos: 
os Anjos Populares

9. Qual é, para nós hoje, o significado do fato de que Satanás e seus demônios foram um dia anjos santos que caíram de sua gloriosa posição celeste?

A verdade bíblica de que alguns anjos são agora ma­lignos significa que o discernimento espiritual, lon­ge de ser um luxo, hoje em dia é uma necessidade. Numa época tão marcada pelo reavivamento mun­dial do ocultismo, ninguém deveria tentar fenôme­nos tipo "contatar anjos", ou "incorporar anjos", ou o desenvolvimento de uma "consciência angelical", e coisas assim. Todas essas coisas não passam de ardis manipulados por anjos caídos malignos (demônios), com o fim de camuflar seus verdadeiros pro­pósitos.

Como é que sabemos que os anjos populares não são quem eles reivindicam ser? Porque os anjos que se mantiveram fiéis a Deus são santos e piedosos na ma­neira de se portarem; as entidades por detrás das revela­ções angelicais modernas não têm nada de santas nem de piedosas. Os anjos piedosos glorificam a Deus e não trazem revelações contrárias às Escrituras como fazem os anjos populares. Os anjos bíblicos agem caracteristi­camente "nos bastidores". Os anjos populares estão mais que dispostos a agirem abertamente e a se comuni­carem na forma espírita. O fim das ações dos anjos pie­dosos sempre trará glória a Deus; quanto aos anjos ma­lignos, o resultado sempre será engano espiritual.26

Em suma, os anjos bons realizam seu trabalho e aí desa­parecem. Eles jamais se demoram no local, como acon­tece na tradição ocultista dos espíritos-guias, e nunca dão recados que sejam frontalmente contra a doutrina e a ética bíblicas.

10. Quem são, precisamente, os anjos maus, quais são alguns conceitos falsos acerca deles, e que poderes possuem?

De acordo com a Bíblia, os anjos malignos são espíritos moralmente corruptos, que estão rebelados contra Deus (Salmo 106.37; João 8.44; 2 Pedro 2.4; Tiago 2.19; Ju­das 6). A rebelião deles foi instituída debaixo da lide­rança de Satanás (Judas 6; 1 João 3.8; Mateus 12,24,25; 25.41; Ezequiel 28.12-17) e resultou na expulsão deles do céu (Lucas 10.18; conferir com Apocalipse 12.7-9). Como resultado disso, eles se tornaram criaturas destru­tivas e egocêntricas, que buscam frustrar os propósitos de Deus e de Cristo (Deuteronômio 32.17; Salmo 106.37; Apocalipse 2.10; 1 Pedro 5.8; Efésios 6.11; Mateus 13.39; Lucas 22.31; 1 Tessalonicenses 2.18; 1 Timóteo 4.1; Marcos 3.11; 4.15).

Uma das preocupações principais dos demônios é enga­nar as pessoas através de religiões falsas e/ou falsos mi­lagres e, com isso, conseguir cegá-las para a verdade es­piritual (2 Coríntios 4.4; Atos 26.18; 2 Coríntios 11.14; 2 Tessalonicenses 2.9,10; Apocalipse 16.14; 20.10).

Os demônios estão afixados eternamente em seu com­portamento, conhecem seu destino eterno e não têm oportunidade de redenção. Assim sendo, serão lançados para sempre no lago de fogo (Mateus 25.41; Apocalipse 20.2,3,7-10). Esse parece ser o motivo pelo qual eles reagiram a Jesus com medo e escárnio, dizendo: "Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo?" (Marcos 5.7; conferir com Lucas 4.41) e "Que temos nós contigo, ó Filho de Deus? vieste aqui atormen­tar-nos antes de tempo?" (Mateus 8.29).

Os demônios não são espíritos de seres humanos faleci­dos ou de uma raça pré-adâmica, como querem alguns, pois os espíritos de seres humanos mortos não estão li­vres para vagar (Lucas 16.19-31; 2 Pedro 2.9). Não são, tampouco, meras personificações do mal ou das forças naturais (tais como os "deuses" da natureza), como que­rem os céticos. Os demônios também não são a desig­nação supersticiosa de doenças naturais específicas, tais como a epilepsia ou a doença mental. As Escrituras fa­zem uma distinção bastante clara entre essas doenças e a possessão demoníaca, embora seja possível que am­bas possam se fazer presentes ou que uma possessão demoníaca possa incluir doença mental.27

Se fôssemos catalogar os poderes e habilidades dos an­jos que a Bíblia alista, ganharíamos um vislumbre das capacitações que possuem, e assim também discerniría­mos as habilidades dos demônios como sendo de anjos corrompidos. Precisamos, entretanto, jamais nos esque­cer de que os demônios, em última análise, são criatu­ras refreadas pelo poder e pelo propósito soberanos de Deus. Quando necessário, o crente possui poder sobre eles (1 João 4.4; Tiago 4.7) porque o próprio Cristo ob­teve vitória sobre Satanás na cruz (Hebreus 2.14; Co­lossenses 2.15; João 12.31). Jesus provou ter poder completo sobre os demônios (Mateus 12.28; Marcos 1.34), com freqüência os expulsou de pessoas (Mateus 8.31; 15.22-28), e ordenou a Seus discípulos que fizes­sem o mesmo (Marcos 6.13; Mateus 10.1; Lucas 10.17).

11. O que anjos malignos fazem hoje em dia, como são contatados, e como afetam nossas vidas?

A listagem relativa ao poderio demoníaco que a Bíblia relata é surpreendentemente relacionada ao que os de­mônios fazem nos dias de hoje. Por exemplo, como documentamos detalhadamente em The Corning Dark-ness (As Trevas Que Se Aproximam) e em outros li­vros, os anjos malignos (demônios) imitam os bons an­jos e expressam grande preocupação com o bem-estar das pessoas; eles também proporcionam visões e reve­lações falsas através de sonhos ou através de canaliza­ção, psicografia, etc. Eles conseguem possuir as pes­soas, realizar vários tipos de milagres, gerar insanida­de, ou cometer homicídios. São capazes de causar vá­rios tipos de indisposições físicas, doenças ou tormentos. Eles podem prever o futuro, incentivar prá­ticas ocultistas, e manipular a mente humana incutin­do nela pensamentos, idéias ou imagens. Eles conse­guem influenciar a natureza. Eles buscam ser adora­dos, procuram perverter os caminhos de Deus, e podem assumir qualquer forma física que desejarem, seja de adulto ou de criança, de animal ou de criatura mitoló­gica. Em suma, no fim das contas, eles destroem a vi­da das pessoas.

Os métodos usados pelos anjos malignos para estabele­cer contato com as pessoas são aqueles encontrados es­pecificamente no mundo do ocultismo - através de es­tados alterados de consciência, de capacidades psíqui­cas, de métodos de adivinhação, das drogas, dos rituais de magia, e assemelhados. Em suma, eles só precisam do desejo e do compromisso de uma pessoa que se pro­ponha a, pessoalmente, estabelecer contato com os an­jos ou espíritos, convidando-os para adentrarem sua vi­da. Veja, por exemplo: "Tudo que, por vezes, é neces­sário para se estabelecer comunicação é o pensamento a respeito de um anjo ou o desejo de contatar com um... Escolha um anjo para com ele se harmonizar. Te­nha papel e lápis no caso de vir uma mensagem que você queira anotar."28 Ou: "Marque um encontro de oração com os anjos. Convide seu anjo da guarda, ou quaisquer anjos de que você goste para se juntarem a você. Ore da maneira como preferir e preste atenção a quaisquer imagens, palavras ou idéias que surgirem em você."29

O método mais recomendado para se estabelecer con­tato é provavelmente a meditação. Nesse caso, a pes­soa busca entrar num estado de consciência "vazio", unitivo ou não cognitivo.30 É assim que ensina o au­tor de Messengers of Light: The Angel 's Guide to Spiritual Growth (Mensageiros da Luz: O Guia An­gelical para o Crescimento Espiritual): "Há uma va­riedade de maneiras de abordar a meditação, tais co­mo focar a atenção num mantra, em imagens, em ob­jetos físicos, ou simplesmente em prestar atenção à respiração de outra pessoa... Quem sabe você prefira usar o nome anjo como forma de mantra... Talvez as mensagens não cheguem a você na forma de pala­vras; é freqüente os anjos falarem a você através de sentimentos ou imagens... a centralização [atenção concentrada; "alinhamento" ocultista] é uma forma de sincronizar a nossa energia... [que nos põe em con­tato] com o nosso ser mais elevado e com os anjos que nos guiam."31

Oração e a criação de um "altar para anjos" são dois ou­tros métodos populares de se estabelecer contato.32 Por exemplo: "Os anjos adoram luz de velas. A luz de velas ilumina e purifica a atmosfera e atrai anjos. Depois de ter feito seu próprio altar ou santuário, acenda uma vela e permaneça quieto diante dela. 'Curta' a beleza e peça aos anjos que se aproximem de você."33

Por serem relativamente fáceis de se contatar por aque­les que resolvem fazê-lo, os anjos malignos tocam nas vidas das pessoas por meio de uma variedade pratica­mente inumerável de maneiras nos dias de hoje. Antes, entretanto, de entrarmos naquilo que é específico, é vi­tal que atentemos para um fato bastante simples, porém crucial:

12. Os anjos populares negam os ensinamentos bíblicos fundamentais? Poderiam os anjos santos negar os ensinamentos de Cristo?

Os anjos piedosos jamais negariam os ensinamentos de Jesus Cristo e da Bíblia. Por outro lado, os anjos popu­lares fazem isso rotineiramente. Pensemos em alguns exemplos: "Deus é a totalidade de nossa experiência de vida"34; "Deus é vida. Você e Deus partilham a mesma cama, o mesmo carro, o mesmo copo d'água. Você e Deus são um."3536

Os anjos populares ensinam as crenças pagãs, da No­va Era, incluindo o hinduísmo, as práticas ocultistas, o panteísmo (tudo é Deus, Deus é tudo), o universa­lismo, e a concepção de que Cristo habita dentro das pessoas, a despeito da fé que tenham ou não na Pes­soa dEle.37

Por outro lado, esses "anjos" cometem erros simples de fato tanto na área teológica como não teológica.38 Repa­re nas seguintes afirmativas vindas de Angel Wisdom (Sabedoria dos Anjos): "Os anjos não julgam"; "Nosso verdadeiro ser é angelical"; "Todas as religiões... ado­ram o mesmo Deus"; "Nossas almas permanecem num estado puro de inocência"; e "Pense na possibilidade de tudo ser, no final das contas, verdadeiro [leia 1 João 2.21]."39

Na medida em que as pessoas se envolvem com anjos nos dias de hoje, elas deveriam reconhecer que os anjos bons jamais mentem. O restante de nossa abordagem acabará provando que os anjos populares não são quem eles reivindicam ser.

13. Os anjos populares estão ativos nas seitas? Quais são algumas abordagens cristãs falsas acerca de anjos?

A maioria das pessoas se surpreenderia ao saber que li­teralmente muitas das seitas modernas e das novas reli­giões foram instituídas e/ou são nutridas por meio de contato "angelical". Vejamos alguns exemplos. Como deixamos muito bem documentado no livro Everything You Ever Wanted to Know About Mormonism (Tudo Que Você Sempre Quis Saber Acerca do Mormonismo), não há qualquer outra seita mais anticristã que a mór­mon (Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias). E, apesar disso, teria sido o "anjo Moroni" que conduziu o fundador do mormonismo, Joseph Smith, às alegadas "tábuas de ouro" das quais o Livro de Mórmon foi traduzido ocultamente.40 A história do mormonismo é repleta de orientação, direção e revelação angelical.

Assim como documentamos em The Facts on Jehovah 's Witnesses (Os Fatos Sobre as Testemunhas de Jeová), os "anjos" desempenharam um papel essencial na reli­gião das Testemunhas de Jeová e até mesmo na terrivel­mente tendenciosa tradução da sua Bíblia, a Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas.

Emanuel Swedenborg, o famoso médium do século XVII, vivia contatando anjos e acabou dando início a uma difundida seita anticristã, "A Igreja da Nova Jerusalém", por vezes conhecida como a Nova Igre­ja ou Fé Swedenborguiana. Os anjos de Swedenborg estavam constantemente com ele, cochichando, ensi­nando, imprimindo pensamentos e idéias na mente de­le.41

A antroposofia (uma combinação de teosofia e cristia­nismo gnóstico) é outra ilustração de uma seita extre­mamente anticristã que teve início com a ajuda de an­jos. Rudolph Steiner, seu fundador, foi profundamente influenciado por Swedenborg. Steiner consultava os mortos e outros espíritos, incluindo anjos, a quem ele descreveu detalhadamente em seus escritos e preleções. Ele ensinou que cada pessoa possui um anjo da guarda através de suas muitas encarnações na terra.42

José Silva é o fundador de uma religião que já conta com oito milhões de seguidores, chamada Método Silva de Controle Mental (MSCM). O objetivo é permitir que as pessoas façam contato com seus "conselheiros inte­riores" para obterem informações e orientação. O MSCM teve início quando Silva contatou um "anjo", durante uma "projeção astral", que passou a lhe dar os princípios do movimento.43

Poderíamos citar outros exemplos, incluindo a Irmanda­de da Auto-Realização, fundada por Paramahansa Yo-ganda, e também a Escola Concórdia de Cristianismo, fundada por Charles e Myrtle Fillmore.44 Mas é evidente que os anjos que ajudaram a fundar ou influenciaram esse tipo de sistema religioso tão anticristão não podem ter sido anjos bons porque as revelações que fizeram são as mais anti-bíblicas possíveis. Qualquer leitura mais atenta da literatura de tais grupos, especialmente da lite­ratura teológica, haverá de comprovar isso. Ainda as­sim, todos esses movimentos ou reivindicam ser cris­tãos ou reivindicam não ser antagônicos à fé cristã. E por isso mesmo, eles têm confundido alguns cristãos que aceitaram suas práticas.

Mas há várias outras maneiras pelas quais espíritos en­ganadores se infiltraram na Igreja. O incrível aumento de livros advogando o contato angelical começou há muitos anos com o livro do falecido reverendo Roland Buck, intitulado Angels on Assignment (Anjos Comis­sionados). Caracteristicamente, entretanto, esse texto teve muito pouco a ver com os santos anjos. O conteúdo do livro e um minucioso exame do que estava por trás do mesmo, incluindo-se o fato de que as afirmativas ori­ginais dos "anjos" foram modificadas para parecerem consistentes com o ensinamento bíblico, demonstram que Buck não havia participado de uma revelação ange­lical piedosa, mas sim de uma fraude espírita. A despei­to da sinceridade de Buck e de seus editores Charles e Francis Hunter ao publicarem o livro, os ensinamentos "angelicais", como sempre, acabaram por revelar sua verdadeira natureza.45

Uma edição do The Christian Parapsychologist (O Pa­rapsicólogo Cristão) [um periódico que visa integrar cristianismo e ocultismo] foi dedicada especificamen­te ao assunto "anjos". Ela trouxe cinco artigos - um escrito por um médium, outro escrito por um swedenborguiano, outro por um místico naturalista, outro por um antroposofista, e um escrito por um junguiano. No artigo "Some Thoughts About Angels" ("Alguns Pen­samentos Acerca de Anjos"), J. Dover Wellman, vigá­rio da Igreja Emanuel e autor de A Priest's Psychic Diary (O Diário Mediúnico de um Padre), afirma o que citamos a seguir. Assim como no mormonismo e no swendenborguianismo, ele virtualmente agrega to­dos os espíritos na categoria de seres humanos mortos e incentiva vários métodos ocultistas de contato com "anjos":

Creio que as entidades espirituais estão em toda a nossa volta... Nessa questão da nossa consciência da presença de anjos, a iniciativa está sempre com eles como seres superiores... Jesus Cristo foi, creio eu, um desses seres angelicais pré-existentes... o objetivo da habitação dele na terra foi de nos informar de nossa própria potencialida­de como seres que precisam ser restaurados à 'angelida-de'...

Quando o estado de transe libera nosso espírito-alma de nosso corpo-alma, agimos como um espírito puro. Nos­sas percepções extra-sensoriais funcionam mais eficien­temente, trazendo à tona aquilo que, de outra sorte, esta­ria oculto... Nessa altura estaremos, por nós mesmos, atingindo o nível de vida dos anjos... Nessa condição... nosso comungar com eles será acentuado e a influência deles sobre nós sobremaneira incrementada.46

Os outros autores da mesma edição de O Parapsicólogo Cristão concordam. Brian Kingslake é ministro da No­va Igreja, que se baseia nas revelações espíritas conce­didas a Emanuel Swedenborg. Ele é o autor do livro in­titulado Swedenborg Explores the Spiritual Dimension (Swedenborg Explora a Dimensão Espiritual). Em seu artigo A Heaven of Angels from the Human Race (Um Céu de Anjos da Raça Humana), ele aceita o ensina­mento comumente mediúnico e swedenborguiano de que "todos os milhões de espíritos que habitam o mun­do espiritual - tanto anjos como diabos - são seres hu­manos que um dia habitaram nesta terra, ou em uma ou­tra terra do universo material." Ele prossegue dizendo que o suposto objetivo de Deus é "formar um céu de an­jos a partir da raça humana."47

Dorothy Maclean é uma líder do movimento da Nova Era e co-fundadora da comunidade espírita Findhorn, da Escócia, assim como autora de vários livros acerca de como contatar anjos e outros espíritos. No artigo "Angels Today" ("Anjos Hoje"), ela relata sua experiên­cia pessoal com anjos: "Eu descobri que não podia efe­tuar o contato com os anjos até eu mesma me encontrar num estado de consciência semelhante ao deles... Para eles, nós somos possuidores de potencial divino magní­fico... Fomos deuses a partir de nossa composição... eles esperam nossa escolha de permitir que nossas vidas sejam guiadas por nossas intuições, por nossa consciên­cia angelical, para que cooperemos com eles."48

No artigo "The Hierarchies Regained" ("As Hierarquias Readquiridas"), a estudante antroposófica Evelyn Ca­pel, ministra da comunidade de Rudolph Steiner chama­da Comunidade Cristã, e autora de The Tenth Hierarchy (A Décima Hierarquia), continua a encorajar a intera­ção entre "anjos" e seres humanos em bases ocultistas.49

Por fim, no artigo "Angels and Archetypes" ("Anjos e Arquétipos"), Christopher Bryant, um padre da Socie­dade de São João Evangelista e um profundo estudioso do psicólogo ocultista Carl Jung, diz: "É provável que, mesmo sem saber, nos beneficiemos do ministério dos anjos que executam seu trabalho nos níveis inconscien­tes da mente que estão em contato com o mundo mediú­nico."50

Há muitos outros exemplos. O falecido e popular prega­dor William Branham (fundador da seita "Tabernáculo da Fé", cuja sede brasileira se encontra em Goiânia - N. R.) dizia falar em nome de Deus, mas durante toda sua vida foi guiado por espíritos mentirosos (seus "anjos"), que sussurravam a ele e, aparentemente, "curavam" muitas pessoas anualmente de forma ocultista. A des­peito da enorme influência que exerceu sobre o pente-costalismo, ele foi um falso profeta que negou a verda­deira natureza de Deus. Ele disse certa feita, por exem­plo, que o "trinitarianismo [crença na Trindade] é coisa do diabo! Eu o digo [com a autoridade de] ASSIM DIZ O SENHOR."51

O Rev. Edward W. Oldring é o autor de / Work with An­gels (Eu Trabalho com os Anjos), e de / Walk and Talk with Angels (Eu Caminho e Falo com os Anjos). Os "anjos" apareceram supostamente a ele para assisti-lo na "preparação de muitas pessoas [cristãs]... para traba­lharem com os anjos de Deus... e para... cooperarem com... os anjos."52 Por isso, ele ensina que "há um espi­ritualismo [contato com espíritos] que é ordenado por Deus... É parte do plano de Deus."53 Entretanto, os anjos que falam com ele fornecem interpretações declarada­mente falsas da Bíblia e, portanto, não poderiam ser an­jos piedosos.54

Vejamos uma ilustração final. G. Don Gilmore é pastor da Igreja Congregacional Plymouth em Spokane, no es­tado de Washington, e apresentador do programa diário de rádio "Perspective on Living" ("Perspectiva de Vi­da"). Ele é o autor do livro Angels, Angels Everywhere (Anjos, Anjos Por Toda Parte), a respeito de contatos "angelicais". O livro dele é uma ilustração não apenas do potencial de disfarce do espiritismo, mas também da normalização e internalização ou "psicologização" da experiência espírita. "Contatos angelicais", para Gilmo­re, englobam uma vasta gama de fenômenos. Incluem, por exemplo, o conceito ocultista de "formas de pensa­mento" - manifestações espirituais tidas como sendo elaboradas mentalmente a partir de energia mediúnica. E por isso:

Eu creio que anjos são formas, imagens e expressões através das quais as essências e as forças energéticas de Deus podem ser transmitidas e que, já que existe uma infinidade dessas formas, o maior serviço que alguém po­de prestar às hostes angelicais é jamais limitar conscien­temente as maneiras dos anjos aparecerem a nós.55

Fica óbvio, a essa altura, que as portas estão escancara­das a virtualmente toda sorte de fenômenos sobrenatu­rais ocultistas. Toda manifestação religiosa/espírita re­clama, nos dias de hoje, estar ligada à força "divina" ou às "forças energéticas de Deus." Aliás, Gilmore rei­vindica que "a energia de Deus" está por trás não ape­nas das manifestações angelicais tradicionais em várias religiões do mundo, mas de muitas outras coisas tam­bém.

Uma das principais preocupações de Gilmore é o desen­volvimento daquilo que ele denomina "consciência an­gelical". Isso é, basicamente, um eufemismo para o de­senvolvimento mediúnico, "consciência mais elevada", e/ou possessão espírita.56 58 Dessa forma, "consciência angelical" quer dizer simplesmente um estado alterado de consciência e/ou uma abertura para o reino mediúni­co, que é então vista como envolvimento com energias e poderes divinos. Desenvolve-se "consciência angeli­cal", por exemplo, por meio de visualização criativa, o que supostamente abre portas para "os fluxos móveis de energia ilimitada."59-60

Já que as "formas energéticas" essenciais de Deus es­tão, alegadamente, por toda parte, afirma-se que é res­ponsabilidade do cristão estabelecer contato com elas para haver crescimento espiritual. De modo semelhante a muitas formas de ocultismo, Gilmore sugere que po­demos, na realidade, "evocar" anjos através dos poderes de nossa própria consciência, tal qual os magos ocultis­tas procuram evocar espíritos ou demônios através do círculo de poder em seus rituais.61 Citando o famoso ocultista Dion Fortune, Gilmore também interpreta o contato angelical como um comungar com "nosso ser mais elevado":

Será que a melhor e mais elevada forma angelical não é externa, mas sim o nosso melhor e mais verdadeiro ser? Dion Fortune uma vez escreveu... 'O Santo Anjo da Guar­da, lembrem-se, é o nosso próprio eu elevado.' ...Some-se ao Ser Externo, o Ser Um, o corpo interior - instinto, gênio, sexto sentido, percepção extra-sensorial, poder mediúnico, conhecimento interior - e aí você, quem sabe, tenha mais formas angelicais para utilizar em seu traba­lho criativo.62

Gilmore diz aos seus leitores que o contato pessoal com os anjos é fácil: "Você ficaria surpreso ao perceber quão freqüentemente faz contato com a essência energética de formas angelicais."63 Ele também incentiva as afir­mações mentais positivas para facilitar o processo de consciência e contato angelical, como, por exemplo: "Deus e os auxiliares de Deus jamais estão distantes... A Luz de Deus me envolve... O Poder de Deus me pro­tege... Onde quer que eu esteja, Deus está!"64

Concluindo, o contato "angelical" de Gilmore abrange uma gama variada de formas de desenvolvimento me­diúnico, espiritismo e manifestações ocultistas. Por isso mesmo, dificilmente envolveria contato com anjos pie­dosos, ou o fazer a vontade de Deus, que proíbe taxati­vamente o envolvimento com o ocultismo (Deuteronô-mio 18.9-12).

14. Como é que os anjos populares apoiam o mundo do ocultismo?

Seria impossível sequer suprir um levantamento su­perficial das maneiras como os anjos populares pro­movem o mundo do ocultismo. No livro Angel Wis-dom (Sabedoria Angelical), somos encorajados a fa­zer uso dos mantras e das mandalas; a explorarmos as buscas visionárias xamanistas; a contatarmos o animal de poder de alguém (um espírito-guia que aparece na forma de um animal); e a perseguir a cura mediúnica e a manipulação de chakras.65 No li­vro Angelic Messenger Cards (Cartas das Mensa­gens Angelicais), as pessoas são orientadas a buscar contato com os mortos.66 No livro Creating with the Angels (Criando com os Anjos), encontramos o li­dar com sonhos: "Hora de sonhar é hora do espíri­to e oferece uma grande oportunidade para se brin­car com os anjos... Permita que os anjos ajudem vo­cê a interpretar seus sonhos."67 No livro The Angels Within Us (Os Anjos Dentro de Nós), encontramos anjos conduzindo pessoas a estados de profunda al­teração de consciência para estabelecer contato -com elas.68 Esses "anjos" também patrocinam práticas me­dicinais da Nova Era, assim como práticas medici­nais holístico-ocultistas e religiões ocultistas como a teosofia.69 70

Os anjos populares também promovem práticas como a necromancia ou o contato com os mortos para adivinha­ção, assim como várias formas de magia ocultista.71-72

Os anjos populares freqüentemente estimulam o desen­volvimento de práticas como a psicografia e o ditado de suas mensagens, para que elas sejam publicadas e circu­lem.73 Karen Goldman, por exemplo, autora dos livros Angel Voices (Vozes de Anjos) e The Angel Book (O Li­vro de Anjos), crê que "os anjos estão dirigindo e orien­tando o que ela escreve" (escrito na contra-capa de An­gel Voices). Ela se utilizou da "Técnica de LIBERA­ÇÃO do Método Sedona", do Instituto Sedona, no Arizona, para contatar o "anjo interior" dela, que agora serve de guia para os escritos da autora.74 Sally Sharp, autora de 100 Ways to Attract the Angels (100 Maneiras de Atrair os Anjos), também foi introduzida à psicogra­fia por seus anjos, assim como o foram vários outros autores que escrevem sobre eles.75-76

Rosemary Ellen Guiley, autora de Angels of Mercy (An­jos de Misericórdia) e de muitos outros livros de cunho ocultista e místico, tais como The Encyclopedia of Wit­ches and Witchcraft (A Enciclopédia de Bruxas e Bru­xarias) e Harper's Encyclopedia of Mystical and Para­normal Experiences (Enciclopédia Harper de Experiên­cias Místicas e Paranormais), recorda-se que a vida dela tem sido dirigida por presenças invisíveis, que ela crê serem anjos que a nortearam especificamente rumo a essa área:

Durante muitos anos, eu senti a presença de guias em mi­nha vida... Meu senso intuitivo logo de início me disse que eram "anjos", e que é assim que eu deveria sempre cha­má-los... Eu sinto a presença de um grupo de anjos que sempre me rodeou, sempre ligados à minha vida pessoal e profissional. A eles se juntam outros anjos que vêm e vão, dependendo das circunstâncias... Quando comecei a escrever Anjos de Misericórdia, eles vieram em dose re­forçada. Parecia que eu tinha um pequeno exército que observava por sobre meus ombros, para exercer suas va­riadas influências... Além de escrever, eu faço bastante conferências, e aí eu sinto a presença de um "anjo pales­trante"... Eu sinto a presença dele. Ele é um facilitador que me ajuda a preparar e fazer minhas preleções.77

O nome do "anjo palestrante" é Platão, e ele de fato fala por intermédio dela - assim como acontece com muitos líderes espirituais de proeminência nos dias de hoje, in­clusive Ram Dass, o falecido William Branham, e ou­tros. Guiley afirma:

À medida que comecei minha palestra, senti uma clara mudança em minha percepção, como se uma parte do meu ser fora colocada de lado. Além disso, eu sentia o peso de uma presença invisível sobre meus ombros, co­mo se tivesse pousado neles... Falei durante duas horas sem sequer olhar para minhas anotações, e recebi co­mentários entusiásticos do auditório. "Você talvez não saiba, mas é uma mestra por natureza!"... À medida que o tempo passa, mais e mais tenho estado consciente dessa mudança de percepção que ocorre quando profiro uma palestra. De vez em quando, alguém que é vidente se dirige a mim ao final do evento e me pergunta se eu sei que tenho um anjo ou um ser em pé ao meu lado. "Sim", eu respondo, "é o meu anjo palestrante!"78

O que isso tudo significa é que boa parte - quem sabe até a maior parte - da literatura produzida acerca de an­jos populares vem dos próprios anjos populares.

Aliás, qual a parcela do ocultismo não infiltrada por an­jos caídos? Astrologia e as demais formas de adivinha­ção, magia cerimonial, exercício da mediunidade e ses­sões espíritas, bruxaria e satanismo, desenvolvimento mediúnico, xamanismo - tudo isso está literalmente in­festado de anjos caídos e de seus enganos. Como afirma a Harper's Encyclopedia of Mystical and Paranormal Experience (Enciclopédia Harper de Experiências Mís­ticas e Paranormais), "na Nova Era, no ocultismo e nas crenças religiosas, os anjos fizeram uma reaparição cheia de popularidade. Eles são retratados nos aspectos cármicos da astrologia, são incorporados, medita-se ne­les, e afirma-se que existem no reino dos espíritos. In­voca-se hostes angelicais nos rituais de magia e em vá­rios tipos de magia e bruxaria. A concepção popular afirma que existem anjos benevolentes que são diferen­tes de demônios."79

Sem dúvida, esse é um dos objetivos primordiais dos demônios que imitam anjos piedosos - confundir as pessoas quanto ao campo de operação deles. Se as pes­soas puderem ser convencidas de que o reino do ocultis­mo é o próprio domínio das manifestações angelicais, elas estarão muito mais inclinadas a experimentá-lo. E, além do mais, se ninguém sabe o que um anjo é de fato, qualquer espírito que reivindicar ser um anjo soará con­vincente. Por isso mesmo, um número muito grande de pessoas que hoje contatam anjos estão lenta, porém de­cisivamente, sendo levadas diretamente ao domínio das trevas.80

Tais "anjos" alimentam uma esperança específica de al­cançarem as crianças. A autora de The Circle of Angels (O Círculo dos Anjos) foi possuída por um espírito que anunciou a ela, via psicografia: "Eu sou o arcanjo Mi­guel e juntos vamos salvar as crianças."89 O resultado disso foi a série Little Angel Books (Livros dos Peque­nos Anjos) que procuram ajudar as crianças a chamarem pessoalmente os anjos através de meditação ocultista.

15. O que dizer sobre os anjos populares e o fenômeno moderno da canalização?

Canalizar espíritos-guias é hoje uma indústria multibilionária nos Estados Unidos. Mas canalizar anjos não é diferente de incorporar espíritos-guias. Em ambos os casos, a pessoa é possuída por um espírito controlador como se fora um médium. Essa similaridade também fi­ca evidenciada pelo fato de que as mensagens e os fenô­menos presentes na incorporação de anjos e a encontra­da no exercício da mediunidade são essencialmente as mesmas.82

Considere a naturalidade com que espíritos e anjos in­corporados estão ligados à literatura popular: "Todos te­mos espíritos-guias, anjos que nos levam a níveis supe­riores de percepção e conhecimento... Nossos guias po­dem assumir forma física num sonho, durante a meditação, ou a forma de um conselheiro ou mestre es­piritual a quem poderemos encontrar inesperadamente... Eu estou aberta a meus guias espirituais, e os saúdo com euforia, respeito, admiração e amor."83

Vamos considerar uma ilustração. A católica Roseann Cervelli afirma estar envolvida na canalização de anjos há mais de uma década em Martinsville, Nova Jérsei, onde reside. Algumas das revelações recebidas durante essas incorporações estão descritas em Voices of Love (Vozes do Amor). E como é que isso tudo começou? De­pois de ter sido criada como católica, e de ter desenvol­vido "um sentido muito profundo de espiritualidade", ela estudou as revelações em transe do médium Edgar Cayce e os métodos de cura mediúnica, e dedicou-se à "percepção de Cristo". Com o passar do tempo, recebeu a imposição de mãos de um padre católico que se tor­nou seu mentor espiritual. No momento em que ele lhe impôs as mãos, ela experimentou uma espécie de "aber­tura" mediúnica: "Depois disso, durante um ano ou mais, eu estudei com o padre e com pessoas que pensa­vam como ele. Eu haveria de passar por uma experiên­cia mística. Eu haveria de ser "puxada" para um estado de unicidade e de meditação... Essas foram minhas pri­meiras experiências com as energias espirituais - tre­mendamente aconchegantes e cheias de amor."84

Com o passar do tempo, ela conheceu um médium que incorporava um espírito chamado "Mateus". Após ouvir os conselhos ocultistas de "Mateus", Cervelli progrediu rumo a uma forma de revelação mediúnica na qual ela recebia energia através de sua própria cabeça. Aí veio a psicografia, o que resultou em Voices ofLove (Vozes de Amor). Depois de "Mateus", foi a vez dela conhecer um outro espírito chamado "Elliot", até que uma nova enti­dade se apresentou dizendo: "Meu nome é João, e eu vim para te ensinar a respeito do amor a ti mesma." Quando "Mateus", "Elliot" e "João" decidiram ir embo­ra, eles disseram a Roseann que ela seria agora habitada por um grupo de anjos - e assim ela vem incorporando "anjos" desde então.85

Como é que daria para ela perceber a diferença, espe­cialmente levando-se em conta que as revelações foram as mesmas?

Entre as mensagens-padrão que os "anjos" desejam co­municar aos homens, está a informação de que "não es­tamos separados de Deus. Nós somos Deus... Deus não está apenas dentro de nós, mas ele é nós."86 E óbvio que anjos piedosos jamais haverão de incentivar pessoas a adotarem crenças panteístas que minam a própria essên­cia da fé cristã.

16. O que dizer sobre os anjos populares, Maria, o papa e o catolicismo romano?

Como a maior parte das religiões não-bíblicas, o catoli­cismo romano também alimenta uma longa tradição de visitação de anjos. Uma "reza ao seu anjo da guarda" católica comum, que a maioria dos católicos devotos aprende, diz: "Anjo de Deus, meu querido guardião, a quem o amor de Deus me confia aqui, esteja sempre co­migo durante este dia (esta noite), para iluminar e guar­dar, para reinar e guiar. Amém."88

Oficialmente, a igreja católica ensina que todo ser hu­mano tem seu anjo da guarda, e ela "incentiva a devo­ção pessoal a esse anjo da guarda."89

Diga-se de passagem, a igreja católica está se interes­sando mais e mais pelo assunto. A "Opus Sanctorum Angelorum" ("Obra dos Santos Anjos") da Ordem Ca­tólica da Santa Cruz agora é aceita como uma "institui­ção reconhecida pela igreja". Até mesmo o papa João Paulo II vem expressando interesse pessoal nos anjos.90

Muitos dos livros contemporâneos a respeito de anjos foram escritos por católicos. No "best-seller" Where

Angels Walk (Por Onde Caminham os Anjos), segundo o jornal New York Times, a católica Joan Anderson in­centiva o contato com anjos e as orações feitas a anjos. Ela afirma que "a maioria dos católicos crê que todos recebem um anjo da guarda quando nascem, um com­panheiro de vida especialmente forjado para a persona­lidade peculiar de cada um. As crianças católicas apren­dem uma pequena e confortadora reza para 'iniciar' a conversação com seu anjo e o Dia do Anjo da Guarda é festejado todo dia 2 de outubro."91

Livros como Devotion to the Holy Angels (Devoção aos Santos Anjos), de W. Doyle Gulligan (Lúmen Christi, 1990), e as organizações católicas como a "Opus Sanctorum Angelorum" citada anteriormente (dedicada a explicar e incentivar a devoção aos an­jos) provam que os devotos do catolicismo consti­tuem um auditório pronto, suscetível ao fenômeno popular dos anjos.92 A conhecida autora e espírita Terry Lynn Taylor também sustenta que a devoção católica a Maria está ligada ao ressurgimento dos an­jos: "Maria, a Mãe de Cristo, é freqüentemente cha­mada de Rainha dos anjos. Maria está tocando, de forma profunda, a vida daqueles envolvidos com per­cepção angelical... Por isso... os anjos predominam tanto hoje em dia."93

O resultado, entretanto, é que as revelações feitas por Maria (e por anjos não raramente associados a ela) apoiam, de maneira uniforme, a teologia e os ensina­mentos do catolicismo, que são antibíblicos.94 As apari­ções ocultistas de Maria em Medjugorje, na antiga Iu­goslávia, incluem as aparições dos chamados putti, ou anjos-crianças, e a mensagem que eles propagam nega a mensagem de Cristo.95

17. Por que os anjos populares estariam interessados em apoiar o movimento ecológico moderno?

O radicalismo ambiental já se tornou uma preocupação nacional, conseqüência da ação de ativistas e políticos zelosos além da medida, cuja conduta, por vezes desen­caminhada, tem gerado mais dano do que bem ao meio ambiente.96

Não é difícil encontrarmos uma profunda preocupação com o meio ambiente na maioria dos escritos espíritas, incluindo-se entre eles o dos "Native Americans" ("Americanos Nativos"), contatadores de OVNIs, cana­lizadores da Nova Era e de revelações modernas de an­jos. O interesse dos espíritas nessa causa, entretanto, é a promoção do panteísmo e da adoração à natureza - não um meio ambiente mais limpo.

Revelações ligadas ao meio ambiente oriundas de "an­jos" ensinam a importância sagrada do meio ambiente e como as pessoas precisam estar mais preocupadas com a Terra como sua "genitora" espiritual. De acordo com es­sas revelações, as pessoas precisam aprender a enxergar a Terra como divina, e reconhecer que a adoração da criação é vital para uma espiritualidade renovada. E cla­ro que isso tudo aponta para um retorno crescente à ado­ração pagã da natureza (onde a própria Terra é deificada, tornando-se uma deusa) e para o animismo (onde árvo­res, plantas, pedras, etc. são vistas como que possuindo espíritos viventes). O fato de que até mesmo o livro es­crito pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore, a respeito do meio ambiente, promove uma abordagem pagã é simplesmente um infeliz sinal dos tempos.97

Os "anjos" que falam através de um canalizador de anjos enfatizam: "O nível mais alto de cura de que falamos en­volve o relacionamento entre o seu espírito e o espírito da Terra... O planeta Terra possui um propósito de vida, assim como você o tem... Seu desejo de buscar uma per­muta mais profunda com a Natureza motiva o espírito dela e ajuda a equilibrar todos os níveis de vida."98

Os anjos populares também endossam o conceito panteísta de Gaia: "O objetivo de seu espírito é facilitar a cooperação entre você e Gaia, a Terra... à medida que vo­cê desperta seu amor como um ser planetário... ele aca­bará sendo, em última análise, o meio de sarar a Terra."99

Exemplos de animismo podem ser vistos nas seguintes revelações angelicais: "As árvores possuem espíritos protetores, e nós podemos aprender muitas coisas quan­do nos assentamos em silêncio perto de uma árvore e nos comunicamos com a energia dela"'00, e: "Os Espíri­tos das Águas são os anjos da guarda das fontes naturais de água... todos os Espíritos das Águas nos ensinam acerca de nossos sentimentos íntimos. Podemos nos be­neficiar muito, se aprendermos a nos contatar com eles."101

A comunidade espírita de Findhorn, na Escócia, é um exemplo - a partir de sua adoração dos espíritos da na­tureza (devas) e dos anjos - de como a ênfase que os anjos colocam no ambientalismo conduz a um contato direto com demônios sob o pretexto da harmonia com a Mãe Terra. Como recompensa pelas orações dessas pes­soas e da adoração aos espíritos das árvores, plantas, e rios, os anjos prometem cura física, emocional e espiri­tual a essas pessoas - além da promessa de que a pró­pria Terra haverá de auto-evoluir rumo à perfeição.102

18. Que exemplos nos mostram como os anjos populares distorcem a Bíblia?

A característica mais consistente da maneira dos anjos populares abordarem religião - além de inspirarem reli­giões falsas, é lógico - é provavelmente a forma como distorcem a Bíblia. Se fossem anjos piedosos - espe­cialmente os anjos que participaram da outorga da lei de Deus, e que O respeitam e honram -, eles não teriam como distorcer a Palavra de Deus. Os demônios, por outro lado, certamente o fariam. No livro Os Anjos Dentro de Nós, por exemplo, as Escrituras são univer­salmente mal interpretadas a fim de sustentarem o ocul­tismo, violando as claras proibições bíblicas contra as práticas ocultistas (veja, por exemplo, Deuteronômio 18.9-12). Assim sendo, a interpretação angelical de Ma­teus 5.14 é torcida de forma a ensinar o panteísmo e a idéia de que nós somos "a força criadora do Universo"; 2 Crônicas 20.17 é uma "mensagem codificada" que "descreve o que acontece quando você assume a energia do anjo"; o Salmo 91.11 é reinterpretado para incentivar o espiritismo; João 15.1-11 é distorcido para significar que devemos viver dentro do eu-Deus dentro de nós, a ocultista "Presença EU SOU".103

Ao ministrarem esses ensinamentos, os anjos, na reali­dade, dirigem seus contatados a lerem essas passagens na própria Bíblia, e aí dão curso às falsas interpreta­ções para seus ouvintes.104 O líder da Nova Era e canali­zador angelical John Randolph Price afirma: "Os anfos são tremendamente práticos ao nos mostrarem nossas falsas crenças" - que, obviamente, incluem as tradicio­nais interpretações cristãs das passagens bíblicas. Va­mos tomar, como exemplo, o maior mandamento dado por Jesus - amar a Deus sobre todas as coisas (Mateus 22.38). Eles nos dizem que o verdadeiro significado disso é: "Comece com o primeiro e maior mandamento, que é amar o Senhor Eu com cada partícula de senti­mento que você possui."106

O que é mais irônico, é que as Escrituras são torcidas por esses chamados "anjos" para enganar as pessoas a ponto de aceitarem seu próprio endemoninhamento! Ve­ja, por exemplo, como três passagens bíblicas bastante conhecidas são interpretadas:

Se formos totalmente sinceros e estivermos dispostos a entregar o menor em troca do maior, o Santo Eu haverá de ir suavizando a velha personalidade até repor essa energia inferior Consigo mesmo... Um odre inteiramente novo precisa ser preparado para um novo enchimento. Paulo disse: "Dia após dia morro" (1 Coríntios 15.31) - e é isso que precisamos fazer para assegurar a vitória final. Lembre-se, "se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3.3). E "quem perder a vida por [amor do Cristo interior], achá-la-á" (Mateus 16.25).107

No fim das contas, "aceitar a Cristo" significa aceitar o "anjo" interior e permitir que ele o possua.108

A maioria das pessoas pressupõe que se tais seres são declaradamente anjos, eles haveriam de citar natural­mente as Escrituras - não é isso que esperamos de an­jos? Além do mais, "poderia um anjo estar ligado a Sa­tanás?"109 É claro que não; quem haveria de esperar que fosse assim?

Ainda assim, considere as seguintes revelações feitas por anjos populares e então confira-as com as Escrituras para provar a você mesmo que esses seres não são anjos santos: "Você pode achar que só existe uma verdade; mas nós, seus anjos, sugerimos que você tenha sua pró­pria verdade, sua própria interpretação da lei divina. Não existe um único caminho que seja certo ou erra­do"110 (confira com João 14.6; 1 João 2.21); "[É errado] pensar que apenas um caminho é o trajeto até Deus"1" (confira com João 10.1-12; Atos 4.12; 1 Timóteo 2.5,6); "Amor... é 'a capacidade de permitir que todas as outras coisas vivas cresçam na plenitude da expressão do seu ser""12 (confira com 1 Coríntios 13.3-8); "Em Verdade, Eu sou o Espírito de Deus... pois Deus é tudo, e tudo é Deus"113 (confira com Ezequiel 28.2-4).

Considere ainda as seguintes meditações pessoais, for­necidas por anjos populares, que eles desejam que as pessoas assimilem, de forma que façam parte da per­cepção delas. Pergunte-se quanto dessas afirmações po­deriam vir de anjos piedosos: "Tudo que Deus é, EU SOU... EU SOU pureza divina... EU SOU amor perfei­to... EU SOU a paz que excede todo entendimento... EU SOU onipotente... EU SOU juízo perfeito... EU SOU a única fonte... EU SOU O QUE SOU... pois EU SOU a alegria do mundo.""4

19. Os anjos populares aparecem nas experiências de quase-morte?

As pesquisas ligadas ao período próximo à morte tam­bém indicam a influência moderna de "anjos". Quase 15 milhões de pessoas já passaram por aquilo que se tornou conhecido como "experiência de quase-morte". Trata-se da situação onde o indivíduo estava clinica­mente morto, teve a percepção de estar fora de seu pró­prio corpo, passando por um túnel, vendo uma luz, sen­do envolvido pela luz, e tendo algum tipo de contato com um ser de luz, com um morto, ou com anjos. Um dos elementos mais constantemente presentes nessas si­tuações é o aparecimento de um "ser de luz" (freqüente­mente tido como sendo um anjo) que guia o moribundo através do limiar da "morte". Aliás, muitas enfermeiras espíritas afirmam ter visto "anjos" aparecendo aos pa­cientes delas no momento da morte para guiar o espírito dos moribundos na vida pós-morte."5

Os anjos podem até ser uma ocorrência freqüente, ou ainda uma percepção nas situações de "experiência de quase-morte", mas as mensagens que eles deixam não são nem um pouco diferentes daquelas dadas na tradição espírita em geral. Infelizmente, as "experiências de qua­se-morte" profundas são, caracteristicamente, uma ini­ciação ao ocultismo, com conseqüências nefastas. No li­vro The Facts on Life After Death (Os Fatos Sobre a Vi­da Após a Morte), fornecemos informações que avaliam as "experiências de quase-morte" e esclarecem porque cremos que o "ser de luz" ou os "anjos" não são o que costumeiramente reivindicam ser. Recomendamos esse livro aos leitores que desejarem maiores informações a respeito do assunto (aguarde aviso de lançamento da edição em português nos nossos periódicos - N. R.).

20. Os anjos populares têm alguma ligação com os OVNIs?

O fascínio moderno com os OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados) tem crescido rapidamente desde que Kenneth Arnold fez o primeiro relato de haver avistado um deles em 1947. Hoje, o campo conhecido como uro­logia (derivado de "UFOs - Unidentified Flying Objects" - equivalente em inglês de OVNI - N. T.) é uma indústria em franco desenvolvimento com inúmeras or­ganizações ao redor do globo, com pelo menos uma dú­zia de investigações sendo realizadas por órgãos gover­namentais, e literalmente milhões de aparições - in­cluindo-se milhares dos pretensos contatos ou sequestros por entidades [tripulantes] de OVNIs. Mui­tos acham que os OVNIs não passam de embustes, de más interpretações, de alucinações ou de visitas reais de civilizações extraterrestres.

Provavelmente a última conclusão a que se chegaria é a de que os OVNIs são fenômenos angelicais, e ainda me­nos, que são produto do poder de anjos caídos. Mas é exatamente isso que são. Vez por outra nos últimos 20 anos, o co-autor deste livro, John Weldon, tem pesqui­sado essa área e já escreveu três livros, incluindo Os Fa­tos Sobre OVNIs e Outros Fenômenos Sobrenaturais, junto com John Ankerberg, nos quais apresenta evidên­cias surpreendentes e convincentes de que os OVNIs só podem ser explicados recorrendo à demonologia.

21. O que é que os anjos populares ensinam acerca da ética e da nova moralidade?

Vários livros acerca de anjos chegam a dizer que Satanás é "boa gente"! Com um senso de valores tão distorcido, os valores éticos resultantes não constituem surpresa. Por exemplo: "O Anjo da Materialidade e Tentação [ou seja, "o Diabo"] opera conosco... ele é a energia que nos capa­cita a dizer, com entendimento, 'Eu vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim.""6 Outro livro sobre anjos nos diz que "Lúcifer é quem estava, na verdade, executando a obra de Deus.""7 Em outro texto, somos literalmente en­corajados a dar as boas vindas ao Anjo da Morte!:

Para a pessoa comum, o Anjo da Morte é muito temido, mas para os aspirantes, discípulos e iniciados ele é "o que é bem-vindo como o nascer do sol". Faça contato com ele agora e peça que ele o assista no passo final de liberação e aceitação... lembre-se, não existe esse negó­cio de morte, apenas uma mudança de energia... Na ver­dade, o que chamamos de morte nada mais é do que a entrada para uma vida mais gloriosa de alegria, realiza­ção, paz e liberdade.118

A moralidade oferecida pelos anjos populares é coeren­te com a que encontramos no ocultismo em geral - uma moralidade auto-gerada, que é atingida através de uma percepção "mais elevada", que permite que se justifique tudo e que se viva como bem se entender. Tais "anjos" incentivam esse tipo de atitude, endossando coisas tipo sexo livre, homossexualismo e lesbianismo, adultério, aborto, divórcio, e praticamente todo tipo de deslize moral. Alguns anjos endossam essa espécie de compor­tamento em nome de uma compreensão "peculiar" de certos tipos de verdades espirituais: que é preciso ir-se além do bem e do mal para compreender a unidade sub­jacente da criação, ou que Deus abrange tanto o bem quanto o mal dentro de Seu próprio Ser."9

Fica claro que, se a percepção "mais elevada" ultrapas­sa as categorias de bem e mal e se o Próprio Deus abrange ambos, será difícil de atribuir um valor ético às coisas. No fim das contas, o egoísmo, o hedonismo e a sensualidade "dão as cartas": "Moralidade... envolve fa­zer as escolhas que são melhores para você"120 e: "Aci­ma de tudo, os anjos desejam incentivar você a se diver­tir, a ser selvagem... Os anjos são atraídos por espíritos livres que não têm medo de serem eles mesmos, mesmo que o grosso da sociedade pareça não entender... Nossas imperfeições nos tornam interessantes... Não há proble­ma se cometemos erros ou em sermos 'errados'."'2I

Também somos aconselhados a abandonar crenças reli­giosas que já possuíamos e as normas que as acompa­nham, pois são muito limitadoras.122 Aliás, até mesmo o mal praticado deliberadamente é dito ser um meio para iluminação espiritual.123

Será que essas afirmações não soam um tanto não-ortodoxas para serem ensinamentos de anjos? Ainda assim, muitas pessoas acreditam que realmente são ensinamen­tos de anjos! Mas se são, onde fica Deus nisso tudo?

22. Qual a ligação dos anjos populares com os ensinamentos acerca do amor-próprio e da auto-estima?
Se nos lembrarmos que o pecado do diabo foi o orgulho e o auto-engrandecimento, talvez não nos surpreenda pensar que ele acharia difícil abrir mão do amor-próprio que gerou sua notoriedade. Infelizmente, as pessoas di­ficilmente compreendem com precisão onde uma filo­sofia de amor-próprio que espelha a filosofia do próprio diabo pode levá-las. Quem sabe, então, os autores que escrevem sobre anjos e gostam tanto de definir o diabo como "uma personalidade dominada pelo ego" preci­sem repensar as implicações desse fato.124

Numa era tão egocêntrica, os anjos modernos se encai­xam perfeitamente.

Um dos ensinamentos mais populares desses anjos é que as pessoas precisam aprender o valor da auto-esti-ma e do amor-próprio:

O amor-próprio haverá de educar e alimentar você... to­me a dianteira e assuma os efeitos eternamente maravi­lhosos do verdadeiro amor-próprio... É só permitir que os sentimentos de amor por você mesmo surjam... Eles es­tão chegando. Aqueça-se na luz do amor-próprio... Final­mente, você haverá de encontrar-se plenamente na luz dourada, na medida em que progride no caminho do amor-próprio junto com seu guia angelical do sistema energético do amor divino. Agradeça ao seu anjo-guia, depois agradeça a você mesmo...125

Você não precisa pedir permissão para amar a si mes­mo... nada menos que isso é suficiente para você ou para Deus... [Reclamar] sua própria bondade... [haverá de] in­crementar a bondade na terra.126

A única dificuldade é que toda essa conversa de auto-estima se baseia no conceito falso de que o homem, na sua verdadeira natureza, é divino; ou seja, que "você é Deus", e que "Deus é vida".127

23. Os anjos populares endossam a prática de adivinhação?

Sistemas de adivinhação são tão velhos quanto a huma­nidade e incluem coisas do tipo oráculos antigos, atra­vés dos quais os espíritos ("deuses") falaram, o I Ching, cartas de Taro, runas, tábuas de Ouija, e adivinhação por todos os meios, desde comportamento e entranhas de pássaros até contorno de crânios, leitura de mãos, simples pontos e gravetos.

Nos dias de hoje, os anjos populares entraram no negó­cio da adivinhação de forma grandiosa. No livro Ask Your Angels (Consulte Seus Anjos), de Alma Daniel, Ti-mothy Wyllie e Andrew Ramer, encontra-se o método denominado de Processo GRACE (GRAÇA). Esse mé­todo de adivinhação, também denominado "Oráculo An­gelical", é feito através de um baralho de cartas, dividido em três partes. As primeiras cartas são atribuídas a qua­tro arcanjos, e o apanhar das demais cartas ao acaso põe você em contato com o sonhar criativo ou a resolução do problema feita pelo anjo específico daquela carta. A se­gunda parte das cartas contém 16 anjos que, quando tira­dos, "ativam" o anjo associado à carta para ajudar a pes­soa a ser bem-sucedida a selecionar as cartas da terceira parte do baralho. Essa terceira parte contém 24 ativida­des ou situações. Uma vez que uma delas é escolhida, a pessoa deve prosseguir conforme a instrução da carta, sabendo que o anjo que veio da segunda parte do bara­lho haverá de guiá-la e dirigi-la ao cumprimento.

Outro sistema de adivinhação é chamado de Cartas dos Anjos. Ele inclui um jogo de tábuas chamado "O Jogo da Transformação". Ele foi criado enquanto seus inicia­dores viviam na Comunidade da Nova Era de Findhorn, na Escócia. Esse jogo também visa estabelecer contato com anjos, prever o futuro, e desenvolver uma percep­ção "mais elevada".128

Um terceiro sistema de adivinhação encontra-se no li­vro Angelic Messengers Cards: A Divination System for Spiritual Discovery (Cartas de Mensagens Angelicais: Um Sistema de Adivinhação para Descoberta Espiri­tual), que foi desenvolvido em associação com o espíri-to-guia chamado "Mentor". Esse sistema utiliza cartas com imagens de plantas, que os anjos da pessoa em questão utilizam para promover crescimento espiritual: "As cartas atuam como uma 'oração viva' para nos aju­dar a resolver problemas, desenvolver confiança inte­rior, nos auto-afirmar, renovar e despertar a energia es­piritual do amor... As cartas de mensagens angelicais são uma ferramenta divinamente inspirada para a auto-descoberta... contêm as sementes para a transformação tanto pessoal como planetária."129

O problema na utilização de qualquer tipo de adivinha­ção é que, nas palavras do especialista em ocultismo W. B. Crow, é "quase sempre perigoso".'30 Esses sistemas são perigosos porque, primeiro, eles ligam as pessoas a demônios; segundo, a informação obtida é constituída freqüentemente de maus conselhos; e, terceiro, a adivi­nhação traz consigo uma escravidão a um sistema ocul­tista - leva pessoas a tomarem decisões que, de outra sorte, não tomariam.

24. Será que os anjos populares endossam os movimentos cristãos de "fé”/confissão positiva? Como os anjos populares poderiam se infiltrar indiretamente na Igreja?

Muitos desses livros a respeito de anjos parecem utili­zar terminologia voltada a crentes. Um texto ocultista bastante forte incentiva os leitores a "dotar cada anjo com a Vontade de Deus, o Amor de Cristo, e a Ação do Espírito Santo."131 A autora Sophy Burnham pergunta: "Por que é que anjos gostam de disfarces? Parece que eles assumem a forma que a pessoa a ser visitada esteja disposta a aceitar."132

Assim como documentamos em The Facts on the Faith Movement (Os Fatos Sobre o Movimento de Fé) e em The Facts on False Teachings in the Church (Os Fatos Sobre Falsos Ensinamentos na Igreja), os líderes dos movimentos modernos de "fé"/confissão positiva geral­mente reivindicam ter recebido seus ensinamentos pe­culiares através de revelação divina direta - inclusive através da mediação de anjos. Nos livros supra-citados, provamos que tais ensinamentos não são bíblicos, por­tanto não podem ter vindo de Deus ou de anjos bons.

Se as reivindicações de inspiração sobrenatural feitas por esses mestres forem legítimas, existe apenas uma fonte de revelação que permanece. Quem sabe seja su­gestivo o fato de muitos espíritos-guias terem uma série completa de fitas de confissão positiva, que são vendi­das por seus médiuns. (As fitas gravadas por "DaBen" e "Orin" incluem títulos como "Creating Money: The Spiritual Law of Prosperity and Abundance" ("Criando Dinheiro: A Lei Espiritual da Prosperidade e Abundân­cia") e "Awakening Your Prosperity Self (Despertando Seu Ser de Prosperidade").133

Os anjos populares também sustentam e endossam ati­vamente os ensinamentos da confissão positiva. Confor­me afirma Terry Lynn Taylor: "Os anjos são o elo perdi­do na corrente dos programas de... auto-ajuda, auto-de-senvolvimento, e auto-confiança... Os anjos são agentes enviados do céu que estão sempre disponíveis para aju­dar a criar o céu em sua vida."134

O objetivo central do livro Creating with the Angels: An Angel-Guided Journey into Creativity (Criando com os Anjos: Uma Jornada Dirigida por Anjos Rumo à Criatividade) é usar anjos para criar sucesso em cada área da vida.135 Como diz um anjo: "Abundância é um estado de mente que conduz à manifestação física de recursos físicos. Mais importante, entretanto, é o fato de que a abundância é um estado de espírito que, de início, desperta a mente para suas possibilidades criati­vas. Você está sendo conduzido rumo a um pensar, um sentir, um amar, e um participar da vida, tudo de forma abundante, de forma que você se encontrará numa po­sição para encorajar o holismo de todo tipo, onde quer que o encontre."136

Aliás, os anjos falam com precisamente os mesmos ter­mos e citam exatamente os mesmos versículos que al­guns dos mestres cristãos contemporâneos da prosperi­dade. Em Os Anjos Dentro de Nós, lemos o seguinte:

A Bíblia também diz: "Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado" (Ma­teus 12.37); "A morte e a vida estão no poder da língua" (Provérbios 18.21); e "Também determinarás algum ne­gócio, e ser-te-á firme" (Jó 22.28). Charles Fillmore, co-fundador da Unidade, escreveu: "Palavras proferidas car­regam vibrações através do éter universal"... E Ernest Holmes, fundador da Igreja da Ciência Religiosa escre­veu: "A palavra confere forma ao que é informe."137

Considere ainda o seguinte conselho dado pelo "anjo" no mesmo livro ocultista: "Eu prometi a você prosperi­dade ilimitada... Eu sou o Senhor que te cura, saro todas as tuas enfermidades, restauro tua saúde, e saro tuas fe­ridas. Isso não é algo que ainda virá. Já é realidade. Na verdade, você está curado agora; você está são."138 Por isso, o autor diz a seus leitores: "Faça contato com o an­jo e pergunte como você está limitando seu próprio su­cesso. Deixe com que ele lhe mostre quaisquer crenças falsas que possam estar bloqueando o fluir, pela pers­pectiva dele."139

Vamos agora avaliar os ensinamentos de outros livros sobre anjos: "A verdadeira abundância é a capacidade de enxergar a abundância que já é nossa."140 "Eu tiro proveito do poder que me capacita a reconhecer todos os meus desejos e objetivos... Eu tenho o poder de saber o que é melhor."141 "Se crermos que podemos possuir al­go... nosso ser mais elevado - as partes de nossa psique que estão se comunicando com os anjos - começará a criar para nós."142 "Eu crio meus próprios milagres."143

Tudo isso é prova cabal de que o movimento cristão contemporâneo da prosperidade alinhou-se com os mes­mos ensinamentos ministrados pelo mundo dos espíri­tos. Pois bem, se sabemos que tais ensinamentos não provêm de anjos, mas de demônios, e se sabemos que os mestres da prosperidade reivindicam receber esses ensinamentos via inspiração sobrenatural, a conclusão surge, por si só, carregada de evidência: mestres que in­fluenciam milhões de crentes talvez se tornem uma ver­dadeira avenida para a aceitação de demônios mascara­dos de anjos.

Analise o que vem a seguir, ouça as próprias palavras de alguns desses mestres dos "movimentos de fé", antes de chegar às suas próprias conclusões.

Kenneth Copeland ensina que "quando você usa a Pala­vra em nome de Jesus [isto é, a confissão positiva], eles [os anjos] estão obrigados a seguir suas ordens."144 Gló­ria Copeland sugere que talvez haja 40.000 anjos desig­nados a cada crente, ou seja, "não há escassez de pode­rio angelical"145 e "quanto tempo você acha que seria necessário para que eles o tornassem rico?"146 Infeliz­mente, "para a maioria, os herdeiros da promessa não têm se utilizado do poderio angelical que está à disposi­ção deles."147 Portanto, "suas palavras põem os anjos a trabalhar em seu favor para fazer realizar o que quer que você diga... as palavras de sua boca os amarram ou libertam para que trabalhem para você."148

Charles Capps afirma que Deus revelou as mesmas ver­dades a ele de forma sobrenatural. No livro Angels (An­jos), ele afirma: "Você precisa dos seres sobrenaturais de Deus trabalhando em seu favor aqui na terra."149 No livro Releasing the Ability of God (Libertando a Capa­cidade de Deus), ele diz: "O Espírito de Deus disse o seguinte ao meu espírito tão claramente quanto se eu ti­vesse ouvido com meus próprios ouvidos... Ele disse: 'A Palavra afirma que os anjos são espíritos ministradores. Esses espíritos ministradores ficam ao seu lado diariamente e ouvem as palavras que você profere... mas você é quem diz a eles o que fazer'."150 Portanto, "Os anjos trabalharão para você. Eles haverão de se en­volver em cada área de sua vida - seu lar, seus negó­cios, tudo - mas apenas na medida em que você permi­tir que eles operem."151

O mestre da prosperidade Kenneth Hagin alega que "o Senhor repentinamente apareceu", diante dele, em 1958, com um anjo que ficava um metro atrás dele. No livro I Believe in Visions (Eu Creio em Visões), ele reve­la: "Ele [Jesus] disse: 'Este é o seu anjo.' 'Meu anjo', eu perguntei? 'Sim, seu anjo, e se você responder a ele, ele haverá de aparecer a você o quanto Eu quiser; e ele haverá de guiá-lo e dirigi-lo com relação às coisas da vida."152

Jerry Savelle afirma que quando aplicamos os princí­pios do "movimento da fé", "os anjos entram em cena para garantirem que aquilo que você diz aconteça."153

John Osteen ensina que "quando você se torna uma pes­soa que faz aliança com Deus, Deus designa anjos para guardarem você e sua família."154

Robert Tilton afirma: "Quando você assume uma postu­ra positiva quanto a seu sonho, você não apenas libera sua essência, mas libera também os anjos para que tra­balhem em seu favor, fazendo com que seu sonho se torne realidade."155

Benny Hinn também aceita o suposto ministério dos an­jos "de fé".156

A preocupação em tudo isso é que, ensinando às pes­soas que os anjos estão aguardando ansiosos para reali­zar suas ordens pessoais, tais mestres estão condicio­nando as pessoas a alimentarem uma expectativa parti­cular a respeito de anjos que não é bíblica. Ensinar as pessoas que os anjos haverão de "guiar e dar direção" e que haverão "de se envolver em cada área de sua vida" e que gerarão muito dinheiro é exatamente o que os in-corporadores de espíritos-guias reivindicam acerca dos espíritos que eles contatam.

Em 1987, Kenneth Copeland profetizou "em nome de Jesus" que "Jesus" prometeu que manifestações angeli­cais novas e dramáticas haveriam de aumentar na igreja e que muitos "seriam visitados pelo reino dos espíri­tos". Com relação aos anjos, "Jesus", conforme alega Copeland, teria dito:

Uma época muito especial está às portas. Uma época es­tá chegando em que haverá mais manifestações de anjos que de costume, mais do que houve no passado. Muitos de vocês verão com seus próprios olhos o anjo que foi designado para cuidar e comandar seu ministério e sua vida. Muitos de vocês receberão visitação do mundo dos espíritos.'57

Mas esse mesmo "Jesus" também negou sua própria di­vindade: "Não fiques perturbado se os outros te acusa­rem de estares pensando que és Deus... Eles me crucifi­caram porque eu reivindiquei ser Deus. Mas eu não rei­vindiquei ser Deus; eu apenas reivindiquei andar com Ele e que Ele estava em mim. Aleluia. E isso que estás fazendo."158 (Confira com 2 Timóteo 2.13).

Se os crentes dão ouvidos a esse tipo de "Jesus" e fa­zem contato com os "anjos" que ele promete enviar, também não deveriam ficar surpresos com o desfecho disso (conferir com Ezequiel 13.1-9).

25. O que dizer acerca dos anjos populares e outros métodos importantes de engano espiritual?

Cremos que a verdadeira razão pela qual os demônios estão fazendo se passar por anjos piedosos, nos dias de hoje, não é somente o objetivo de engano espiritual -teológica e filosoficamente -, mas porque têm maior fa­cilidade de possuir pessoas através do disfarce de per­cepção mais elevada ou de contatos angelicais "profun­dos". E para que isso aconteça, os anjos precisam esta­belecer uma confiança implícita com seus contatos hu­manos. Uma das formas de consegui-lo é aparentando aparecer num contexto e numa natureza diferentes dos espíritos que são tradicionalmente tidos como malignos, ou pelo menos questionáveis, tais como fantasmas, pol-tergeists ou espíritos de mortos que aparecem em ses­sões espíritas - tidos como espíritos de confusão, espíri­tos "terrenos". O Book of Angels (Livro dos Anjos), por exemplo, diz que "quando um espírito entra numa sala, você sente calafrios... quando ele toca em você, ou quando seu corpo passa através de você, você sente um frio ártico... Mas os anjos são diferentes, e quem viu um anjo nunca o confunde com um fantasma. Os anjos são notáveis por seu calor e luz... Você é inundado por riso, alegria... Os anjos ajudam, ou trazem mensagens de es­perança, mas eles não vagueiam, presos à terra, como os espíritos solitários que estão mortos."159 (O que prova que isso é falso, são os muitos casos recentes de incor­poração onde os espíritos agem da maneira positiva aci­ma descrita, e ainda assim sabemos serem demônios pe­la mensagem que proferem.)

Outro ardil acontece quando os anjos desacreditam, de saída, a interpretação dos crentes. Num cenário desses, os crentes são agentes do "diabo", sendo enredados por idéias falsas e pelas conseqüências de confundirem an­jos com demônios. É como enfatiza Rosemary Eilen Guiley: "Se começarmos a desconfiar dos agentes da luz, temendo que sejam demônios disfarçados, aí acaba­remos nos paralisando - o que é precisamente aquilo que as trevas desejam. Eles querem que não confiemos em nada e que nos isolemos, tremendo de medo. Medo é a melhor arma de que as trevas dispõem. O temor é um campo fértil para o mal... Os maquinadores das tre­vas possuem imenso poder, mas, a despeito disso, eles não podem medir forças com o poder maior e impres­sionante da luz e do amor.16"

Outro embuste é os demônios serem os mais gentis, amáveis, protetores, e cheios de senso de humor possí­vel, de forma a fazer baixar a guarda das pessoas. "Os anjos nos amam sempre"; "Eu sei que os anjos estão cuidando bem da minha alma"; "Os anjos estão, verda­deiramente, por toda parte - seres bondosos que só que­rem nos ajudar a nos amar"; "Nós, seus mestres angeli­cais,... [prometemos] que você será sustentado eterna­mente pelo amor divino"; "Nós, seus mestres angelicais, pedimos que você aceite que... seu melhor interesse a longo prazo está sempre sendo levado em conta."161

Tais enganos só podem ser reflexo verdadeiro do ódio que os demônios nutrem pelos seres humanos.

Finalmente, considere os ensinamentos de anjos que apelam para o ego das pessoas, para aquilo que desejam ouvir, e para o uso de seu instinto místico em lugar do pensamento racional:

Vulnerabilidade não é fraqueza; é força espiritual... Vi­ver o momento é um dos ensinamentos universais mais importantes para melhorar a qualidade de sua vida... A verdade é a aceitação da voz de seu espírito e uma disposição... para honrar a Força que lhe traz vida... A vida é confusa quando você só ouve seu pensamento racional... Nós, seus mestres angelicais, nada espera­mos de você senão que você dê ouvidos ao seu co­ração.162

Ao apelar para a singeleza ou ingenuidade humana, e também aos instintos mais básicos como se constituíssem orientação espiritual da melhor qualidade, como se fos­sem o próprio céu e iluminação, os demônios são capazes de levar as pessoas ao ponto exato que desejam. Lidare­mos com isso respondendo nossa próxima pergunta.

26. Os anjos populares desejam possuir as pessoas?

Seja lá por que razão, os demônios gostam de possuir pessoas. Isso é corroborado pelo fato de que a posses­são de espíritos tem sido um fenômeno universal das culturas pagãs através da história. E com o reavivamen­to moderno do movimento da Nova Era, do ocultismo, das religiões orientais, da canalização, e do agora bas­tante popular fenômeno dos anjos, a possessão está au­mentando na cultura ocidental, que vem sendo paganizada nesse processo.

No The Little Book of Angels (O Pequeno Livro dos An­jos), escrito por Peter L. Wilson, é-nos dito que pode­mos não apenas adorar os anjos, mas que "existe um outro tipo de rito angelical: um rito no qual eles são in­vocados e chamados a descerem, ou para dar e receber mensagens, ou para entrarem no corpo do participante do ritual. Em sua manifestação mais simples, isso resul­ta no fenômeno da possessão."163

Alguns livros sobre anjos chegam a pressupor que os anjos já existem dentro das pessoas, por isso não será tão surpreendente seus defensores descobrirem, um dia, que os anjos estão inesperadamente falando de dentro deles. The Angels Within Us (Os Anjos Dentro de Nós) é um livro que ensina as pessoas como serem possessas por um espírito, sob a alegação de que isso é iluminação espiritual. Ele afirma: "Dentro de seu campo de energia individualizado, o microcosmo chamado você, existem vinte e dois Poderes Casuais, ou anjos, que controlam seu comportamento consciente e governam a manifesta­ção de toda sorte de formas e experiências em sua vida pessoal."164 A essa altura, a possessão é aceita, crendo-se ou não em anjos.

Em alguns livros, a meditação angelical predispõe a pes­soa a aceitar o conceito de possessão. Por exemplo: "Eu unirei meu espírito com os anjos", ou: "Temos a gloriosa oportunidade de aprender acerca dos poderes miraculosos da oração e de nos rendermos a uma força superior."165

Assim como é no mundo do ocultismo, vários conceitos energéticos são enfatizados como forma de se racionali­zar a possessão feita por espíritos como se fora um con­tato espiritual com as forças energéticas da Natureza. Por isso mesmo, um livro se utiliza do tema Natureza para mascarar a possessão de uma pessoa: "Você está se fundindo com aqueles na Terra e fora dela que são suas energias-guia, porque você aceita um futuro diferente para a humanidade... Assim, quando você se sentir lá em baixo... fale com a Natureza. A Natureza está ao seu redor, não importa onde você esteja vivendo na Terra. A Natureza é toda sobre fusão, porque funciona como um sistema totalmente entretecido. Você, como a Natureza, está se tornando mais e mais ligado com outros obreiros da luz, na realidade física e não-física."166

Em outras palavras, a fusão com a Natureza se torna a base para a possessão demoníaca, racionalizada como sendo um fundir ou um unir com as energias divinas da Natureza. Ao dizer para as pessoas que "amor é ener­gia",167 fica clara a mensagem de que a possessão por anjos ou sua energia é uma forma de amor: "Muitas culturas fazem a iniciação de seus próprios aprendizes das coisas espirituais, e nós, seus mestres angelicais, também fazemos a iniciação de nossos próprios apren­dizes. A iniciação pressupõe que você abandone idéias pré-concebidas acerca do período de treinamento em que você está entrando, e que você aceite o bem maior e a orientação espiritual que coloca você debaixo da pro­teção e da inspiração do Universo."168

Observe agora as afirmações feitas por anjos ou autores que falam sobre anjos, com respeito às energias divinas nos possuindo: "Autoridade interior é energia espiritual que nasce da união com o Divino."169 "A energia espiri­tual de sua vida brota do fundo de seu ser e circula pela sua espinha para renovar sua vida. Você está em pleno processo de gerenciar essa intensa energia emergente de forma que você a direcione ao despertamento do Deus interior."170 "Sempre que você permite que o fluir dessa energia criativa - energia angelical - corra por todo o seu ser, você expande essa energia."171

"Quanto mais consciente você fica dessa percepção di­vina, tanto mais suas energias dinâmicas poderão preen­cher o plano físico da pessoa que você pensou que era. E quando essa infusão estiver completa, você desperta e compreende que incorporou todos os Poderes de Deus."172 "É o abrir mão de sua personalidade, de subs­tituir a percepção humana pela percepção divina... Exis­te o murchar de uma percepção e o crescer de outra."173

Analise as palavras de uma pessoa que "se ligou na energia" de um anjo: "Senti uma tremenda onda de energia mover-se por minha espinha e então ouvi as pa­lavras: 'Eu sou a força de Jeová, poderoso na batalha para matar os que contaminam'."174 No mesmo livro, en­contramos um estudante motivado a ser possesso por um anjo de morte e renascimento: "Esse anjo representa a força da metamorfose, e sua função é... condicionar nossa percepção para a infusão final da energia do Deus-ser... Esse agente divino [é]... o Mestre da Mor­te."175

Na maioria das tradições ocultistas, o tema da morte é sinônimo de possessão, porque a velha pessoa morre no processo de transformação/possessão. Aliás, eles se tor­nam uma nova entidade na qual a velha percepção passa a "ser iluminada" e o espírito possuidor tem controle completo - por vezes permanente, durando a vida toda - da consciência da pessoa. Esse tema é tratado breve­mente em nosso livro The Facts On Hinduism in Ameri­ca (Os Fatos Sobre o Hinduísmo na America) e mais a fundo no livro de Tal Brooke, Riders ofthe Cosmic Cir­cuit (Cavaleiros do Circuito Cósmico).116

É óbvio que anjos bíblicos ou piedosos jamais possuem alguém - não há relato bíblico ou testemunho histórico de algum anjo bom haver possuído alguém, em lugar al­gum. Os demônios, por outro lado, têm uma longa tra­dição de possuir pessoas - e essa é nossa prova final de que os anjos populares de hoje são realmente coisa dife­rente do que reivindicam ser.

Conclusão

Vivemos numa era que requer uma atitude cada vez mais crítica quanto a fenômenos espirituais e reli­giões em geral. Isso inclui muitas práticas e crenças que afirmam ser cristãs. Enquanto não se pode ne­gar o ministério vital e piedoso dos anjos bons, nin­guém jamais deveria se esquecer das atividades multiformes dos anjos malignos. Fazer isso é sinô­nimo de colocar a própria alma em risco.

Para aqueles que têm estado contatando anjos, mas agora reconhecem que se trata de demônios, sugeri­mos que façam a seguinte oração:

Querido Deus, eu agora renuncio ao meu envolvimento com esses espíritos que erro­neamente pensei serem Teus anjos. Peço que me protejas deles. Eu confesso meu pe­cado de buscar aquilo que Tu proibiste. Eu creio que Jesus Cristo morreu na cruz pelo meu pecado e ressuscitou no terceiro dia, e agora recebo a Jesus Cristo como meu Se­nhor e Salvador, pedindo que Ele entre em minha vida e a torne agradável ao Senhor. Reconheço que esta é uma decisão solene que Tu consideras com muita seriedade.

Receber a Cristo é um compromisso sério. Por obséquio, entre em contato com uma igreja na sua localidade que honre a Jesus ou escreva para esta editora se desejar maiores informações e esclarecimentos.


APÊNDICE 

A febre dos anjos no Brasil

A moda dos anjos também alcançou o Brasil. Como o nosso povo é muito supersticioso, voltado para o misti­cismo, não é de admirar que também tenha entrado na onda das aparições angelicais.

Como outros assuntos sagrados, a Angelologia teve o seu período de obscurantismo e ignorância no Brasil, mas devido ao crescimento do movimento da Nova Era estão aparecendo muitos livros a respeito, oficinas ven­dem bonecos representando anjos, e são realizados inú­meros cursos e palestras sobre eles.

No início de 1992, a agência Saldiva & Associados di­vulgou uma pesquisa realizada com cerca de mil brasi­leiros de ambos os sexos sobre a credibilidade de diver­sas instituições e idéias no país. Os resultados mostra­ram que: 93% acreditam em Deus, 91% em anjos, 64% em santos, 43% em gnomos, 17% em fadas, e 73% já ti­veram alguma experiência com anjos. Segundo os teste­munhos dos entrevistados, os anjos seriam altos, ma­gros, louros, alados e do sexo masculino.

Recentemente foi criado o chamado "Círculo dos An­jos", um movimento de divulgação e convocação não obrigatória e gratuita, para todos aqueles que estiverem interessados em participar espiritualmente, em sua pró­pria casa, em qualquer horário, gastando pelo menos 10 minutos de tempo para orar e meditar evocando o ar­canjo do dia para "o bem da humanidade".

"Sob o domínio dos anjos"

A revista IstoÉ, n° 1353, de 6 de setembro de 1995, trouxe como matéria de capa o seguinte tema: "Anjos -Não Estamos Sós". Em 6 páginas inteiras, o artigo "Sob o domínio dos anjos" mostra como o culto a esses seres celestiais tem extrapolado o modismo e arrebatado uma legião de pessoas que acreditam ouvir suas vozes e tra­balhar sob sua inspiração. Citamos alguns trechos:

Com um fabuloso poder de sedução, [os anjos] arreba­nham um exército de pessoas que pregam, escutam suas vozes, conversam e até invocam o poder de curar através deles. São os interlocutores dos anjos, que garantem fa­lar a sua língua e transmitir o que os chamados mensa­geiros divinos querem dizer... A economista paulista Adriana Feres é uma dessas pes­soas. Católica de formação,...[ela] garante que se co­munica com esses seres alados há pelo menos 20 anos. Em aramaico. "Nunca tinha ouvido a antiga língua dos hebreus, até que o anjo veio e soprou a vida de uma mulher que encontrei na rua", conta. "Entendi o que ele me dizia pelas emoções."... Atualmente, Adriana auxilia pessoas com problemas de saúde, emocionais e fami­liares. E são muitos os atendidos pelo anjo da econo­mista. Até agora, ela contabiliza mais de 2,5 mil pes­soas assistidas...

Livros e mais livros sobre anjos

É incrível a quantidade de livros sobre anjos nas livra­rias seculares: hoje já há mais de 50 títulos, conforme o Catálogo Brasileiro de Publicações (CBP) da Livraria Nobel. Isso sem contar as editoras alternativas, que não constam das listas do CBP.

No dia 19 de setembro de 1995, a Editora Três lançou a publicação Anjos, tudo que você queria saber. Ao todo são 20 fascículos, de 20 páginas cada um, com todas as informações sobre esses seres. Cada fascículo é acom­panhado por uma fita cassete com músicas da Nova Era e um texto de meditação.

Continuamos citando do artigo "Sob o domínio dos an­jos":

[Em 1992] a empresária Mónica Buonfiglio lançava seu livro Anjos Cabalísticos. Foi um enorme sucesso de vendas. Até hoje, o título figura na lista dos dez mais vendidos na categoria de não ficção e só há quatro meses saiu do primeiro lugar. "Vendo três mil exem­plares por dia", afirma. Tamanho êxito a impulsionou a escrever outros dois livros: A magia dos anjos cabalís­ticos e Tarot dos anjos. Mesmo sem fazer parte da tur­ma que diz ver ou ouvir seres celestiais, a empresá­ria parece abençoada por eles. Sua empresa, a Ofici­na Cultural Esotérica, tomou impulso jamais imaginado e agora conta 12 franquias espalhadas pelo País.
(IstoÉ, 6/9/95)

Paulo Coelho e os anjos

No livro As Valkírias de Paulo Coelho, publicado em 1992, o autor conta que, em 1988, ele e sua mulher pas­saram 40 dias no deserto do Mojave, no sudoeste dos Estados Unidos, em busca do seu anjo da guarda. O au­tor narra a experiência de conversar com um jovem ma­go, Took, que lhe dá conselhos diversos e ambíguos so­bre anjos e também advertências práticas sobre como evitar os perigos do deserto. Eles encontram as "Valkí­rias", um bando de oito mulheres que vive no deserto do Mojave em motocicletas, sempre vestidas de couro preto. Eles viajam pela região com as motoqueiras, que lhes ensinam a maneira secreta de encontrar o anjo da guarda. Tal "encontro" não passa de mais uma das vi­sões fantásticas de Paulo Coelho com anjos caídos.

Anjos e OVNIs

No que se refere à relação entre anjos e OVNIs, convém mencionar o depoimento de Marta Anderson, ex-miss Espírito Santo e ex-atriz da TV Globo, que relata a ex­periência de ter viajado numa nave espacial que, segun­do sua descrição, seria a Nova Jerusalém que vai resga­tar todos os salvos. Ela diz na página 20 do seu depoi­mento:

Estava hospedada na residência de alguns irmãos crentes, estudando a Bíblia em meu quarto, e, praticamente como se entrando em outra realidade, vi-me dentro de um colos­sal engenho, singrando pelo Universo. De pé naquela suntuosidade, vi, à minha frente, um corredor reto e comprido, que ao final dobrava-se num ângulo reto, indicando que, portanto, o local era quadrado. À esquerda, a lateral era al­go como vidro transparente, de onde se podia ver o céu. Parecia-me muito maior do que as outras vezes. Às mi­nhas costas estava um ser ou anjo, como um rapaz, porém maior do que os humanos normais. Tinha cabelos louros anelados e roupa como um vestido longo, franzido nos om­bros e mangas de cor azul. Estava próximo de mim como um guarda. Toda a parede, à direita, e o teto eram como de metal fosco prateado. Sei que havia andares, talvez centenas, à direita havia portas, como de elevadores muito modernos, em toda a extensão. Senti o ímpeto de entrar pela porta que estava ao nosso lado, pois sei que havia uma cabine em cada uma. A ordem que vinha à minha mente era para entrar e trocar a roupa. Enquanto me volta­va em direção à porta mais próxima, o tal anjo guardião fa­lou-me por trás: "Agora volte e escreva!"

No meu entender, fui levada ao futuro, assim como João no Apocalipse, só que fui para viver apenas uma cena. Penso que era a cidade da Nova Jerusalém.

A descrição de tais experiências pode parecer bonita e muito impressionante, mas há inúmeras razões para se concluir que os "anjos-tripulantes" de OVNIs são, na verdade, demônios disfarçados.

Os anjos e sua influência na Igreja brasileira

O livro Este Mundo Tenebroso, apesar do autor afirmar claramente que todo o seu conteúdo não passa de fic­ção, tem despertado dentro das igrejas um interesse muito grande por seres angelicais, a ponto de pessoas nas igrejas estarem invocando os anjos mencionados no livro para socorrê-las.

A Bíblia já nos adverte com relação a essa paranóia an­gelical: "Mas, ainda que nós, ou mesmo um anjo vin­do do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim como já dis­semos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema" (Gl 1.8-9). É exatamente isso que temos visto hoje no Brasil: pessoas dando crédito a um outro evangelho re­velado por experiências angelicais.

Realmente a crença nos anjos populares tomou conta do Brasil em muitos níveis e segmentos da sociedade, mas o apóstolo Paulo não deixa nenhuma dúvida de que tais entidades são demônios: "Ora, o Espírito afirma ex­pressamente que, nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios" (1 Tm 4.1)...

Sobre os Autores

John Ankerberg é produtor e apresentador do "The John Ankerberg Show", transmitido em rede nacional nos EUA e premiado pela sua qualidade, alcançando uma audiência de cerca de 185 milhões de pessoas, e podendo ser visto semanalmente em todos os cinqüenta estados americanos. O programa oferece oportunidade para dis­cussão e debate sobre diversos tópicos, reunindo líderes cristãos e não-cristãos e autoridades seculares de renome.

O Dr. Ankerberg recebeu quatro diplomas. Ele é Bacharel (B. A.) pela Universidade de Illinois, M. A. ("Master of Arts") e M. Div. ("Mestre em Divindade") com honrarias acadêmicas pelo Trinity Seminary, onde se especializou em História do Pensamento Cristão, e recebeu também o diploma de Doutor em Ministério pelo Luther Rice Semi­nary em Atlanta, Geórgia.

John Weldon diplomou-se com honra em Sociolo­gia pela Califórnia State University, San Diego, Califórnia, e possui mestrado em Apologética Cristã pela Simon Greenleaf School of Law (summa cum laude); M. Div. e D. Min. do Luther Rice Seminary (magna cum laude, em es­tudos bíblicos e teologia das seitas americanas, respecti­vamente) e um terceiro mestrado expedido em conjunto pela William Carey International University, de Pasadena, Califórnia, e Pacific College of Graduate Studies, de Mel-bourne, Austrália. Diplomou-se também Doutor (Ph. D.) em Religiões Comparativas, com ênfase em religiões orientais, pela última instituição.

O Dr. Ankerberg e o Dr. Weldon escrevem juntos há mais de quatro anos. Eles publicaram mais de trinta livros, com ven­das superiores a setecentos e cinqüenta mil exemplares.

CONTRACAPA

A série "Os Fatos Sobre" é uma fonte de recursos extremamente valiosa para a compreensão e o testemunho eficaz do cristão num mundo cada vez mais voltado ao paganismo. Recomendo muito a sua leitura. _ Dave Hunt

A fascinação pelos anjos explodiu! Milhões de pessoas rei­vindicam ter tido encontros dramáticos com esses seres. Quem são, porém, os anjos? Deveriam os cristãos procurar contatá-los? Neste livro você encontrará respostas às suas perguntas:

• O que exatamente a Bíblia ensina sobre os anjos?

• Qual é a razão da existência deles?

• Como é que seus equivalentes demoníacos enga­nam as pessoas?

• Será que o interesse atual nesses seres está liga­do ao movimento de canalização da Nova Era?

• De que formas especificas os anjos podem ajudar o povo de Deus?

Descubra a verdade fascinante sobre os anjos em Os Fatos Sobre os Anjos.

John Ankerberg é apresentador do premia­do programa The John Ankerberg Show" em rede nacional nos EUA. Ele é orador internacional e di­plomou-se em teologia, história da igreja e pensa­mento cristão.


John Weldon é autor e co-autor de 30 livros sobre seitas, ocultismo e questões sociais. Formou-se em sociologia, apologética .


Fonte: Os Fatos Sobre os Anjos-John Ankerberg e John Weldon

Volte sempre

Romanos 14:9

SIGA-NOS NO TWITTER

O nosso endereço no Twitter é:
oucaapalavrads
Será um prazer ter vc conosco.

OUÇA A PALAVRA DO SENHOR.

Pesquisar este blog

Carregando...

Esta foi a sua vida

SEJA BEM VINDO AO OUÇA A PALAVRA DO SENHOR

ESPERAMOS PODER CONTRIBUIR PARA O CRESCIMENTO DE SUA FÉ.